RECURSOS HUMANOS NOS TEMPOS DE PANDEMIA

Começo o meu texto de hoje refletindo sobre o papel das áreas de departamento pessoal e de recursos humanos durante esse período de pandemia do COVID-19!

Como já foi falado, esse período é inédito na história recente da humanidade. Um problema de saúde pública que afetou o mundo inteiro e está revolucionando vários conceitos utilizados pela sociedade para tocar seu dia a dia, sua vida.

Penso que uma das áreas que está no “olho do furacão” é a área de recursos humanos.

Todas as empresas tiveram impactos, dos mais variados, para se manter, para sobreviver.

O governo atuou flexibilizando as regras trabalhistas, diminuindo a burocracia e buscando agilidade, para salvar empregos, renda e faturamento.

Só que para que tudo isso saísse do papel, os profissionais de recursos humanos tiveram que “se virar”, utilizar de criatividade, conhecimento técnico e proatividade para que as mudanças provocassem o mínimo de transtorno possível.

Vale lembrar que em 20 de março, com o decreto do estado de emergência e o início da quarentena e distanciamento social, somente o serviço essencial foi autorizado a funcionar.

Aliado a esse fato, a área da saúde teve uma mobilização histórica, com novas instalações, contratações de emergência, convocações para suprir o aumento de demanda de doentes.

O esforço da área para cumprir suas missões está sendo fantástico, pois se fizermos uma retrospectiva de acontecimentos pontuais, fora da rotina da área, os resultados foram mais do que satisfatórios:

– Colocar seus colaboradores em Home office

– Reduzir Carga Horária

– Suspender Contrato de Trabalho

– Colocar colaboradores em férias

– Demitir Colaboradores

– Adaptar os benefícios oferecidos pela empresa

– Treinar seu pessoal para as rotinas do trabalho remoto

– Elaborar programas de apoio psicológico

– Capacitar as gerencias para a supervisão à distância

– Implantar acompanhamento de frequência à distância

– Adaptar ou atualizar rotinas da folha de pagamento e encargos sociais às ferramentas disponíveis pela internet/nuvem

– Criar canais de comunicação eficiente para a realidade do trabalho remoto

– Adotar procedimentos eficientes para reposição de pessoal, utilizando ferramentas da internet e de videoconferência para recrutar e selecionar

– Implantar palestras corporativas, via ferramentas de videoconferência

– Reforçar a estrutura de proteção à saúde do colaborador, com EPI, aumento da segurança das instalações e orientação ao colaborador

– Dar apoio psicológico e motivacional para enfrentar o distanciamento de sua equipe de trabalho

Como você vê, para que tudo na sua empresa pudesse dar certo, o apoio e cooperação do RH tornou-se fundamental.

Uma área que ao longo do tempo vem conquistando uma posição estratégica, está ajudando na mudança de rumos da organização, que está se adaptando à crise que se instalou com a pandemia da COVID-19!

É inegável que durante esse período milhões de empregos foram perdidos, que milhares de empresas fecharam suas portas e encerraram operações. Infelizmente também perdemos milhares de vidas, entes queridos, que sentimos muito!

Mas independente de todas essas questões não podemos deixar de reconhecer o trabalho de milhares de profissionais da área de RH. Eles fizeram de tudo para que suas tarefas fossem realizadas, para que empregados e empresas pudessem ter seus direitos respeitados, suas novas rotinas seguissem o curso, e os compromissos fossem honrados.

Meus caros amigos, eu já trabalho na área de RH tem mais de 20 anos, e reconhecendo os esforços de meus colegas de área, não podia deixar de dar meus parabéns a todos esses profissionais de recursos humanos, que num incessante trabalho de formiguinha, realizaram com dignidade e maestria suas tarefas profissionais.

Encerrando deixo a você meu convite para acompanhar o trabalho que desenvolvo nas redes sociais, meus programas de treinamento e cursos à distância, principalmente voltados a departamento pessoal, folha de pagamento e também vídeoaulas postadas em meu Canal do YouTube.

Um forte abraço! Até o próximo post!

Arnaldo Pereira dos Santos

PERSPECTIVAS DE CARREIRA NA ÁREA DE RECURSOS HUMANOS NO PÓS-PANDEMIA

Desde março de 2020 estamos enfrentando vários desafios em nossa carreira.

O profissional de recursos humanos se deparou com a necessidade de se reinventar nesse contexto de pandemia.

Com o decreto de estado de emergência, o governo flexibilizou a aplicação da CLT nas condições de trabalho.

Com o decreto iniciou a quarentena em nosso país!

A quarentena impôs o isolamento social, que também trouxe a implantação do home office, ficando permitido o funcionamento somente das atividades essenciais!

Para se ter uma ideia, as empresas para sobreviver tiveram que implantar o home office, o e-commerce, delivery, entre outras medidas de isolamento social.

Na área de relações do trabalho foram editadas medidas para redução de carga horária e respectivo salário, suspensão do contrato de trabalho, permissão emergencial para o home office, entre outras menos impactantes como a antecipação de férias normais, férias coletivas, permissão de pagamento de verbas trabalhistas parceladas!

No âmbito de decisões organizacionais para enfrentar a pandemia as empresas tomaram algumas medidas:

– Liberaram de cumprir expedientes os seus empregados pertencentes ao grupo de risco;

– Providenciaram uma estrutura mínima de equipamentos e mobiliário para seus empregados trabalharem home office;

– Liberaram auxílios financeiros para os colaboradores suportarem os aumentos de custos com internet, eletricidade e atendimento de outras necessidades.

Foram muitos os relatos nas redes sociais de empresas que adquiriram mesas, cadeiras, computadores, materiais de escritórios para seus empregados, numa forma de incentivar e apoiar as atividades de home office.

Em grande parte, o RH auxiliou nessas demandas.

Analisando o papel do RH na pandemia, área por área, vemos que os profissionais de recursos humanos precisaram se reinventar, assumir um protagonismo nessa histórica mudança pela qual passamos na pandemia do COVID-19.

Com as medidas de isolamento social para enfrentamento da pandemia, vimos uma das maiores crises no mercado de trabalho!

Milhares de trabalhadores perderam emprego, tiveram sua carga horária reduzida ou seu contrato de trabalho suspenso!

A área de departamento pessoal ficou responsável pela operacionalização de contratos, cálculos rescisórios, adequação de sua folha de pagamento às regras criadas para pagamento de salários durante essas medidas emergenciais!

Como o departamento pessoal trabalhou!!!!

Ahhh, como se ele não trabalhasse, né?

Trabalhei em departamento pessoal e sei que trabalha muito, já tem muito tempo!!!!! Quem é da área de pessoal, sabe o que estou falando!!!!!!!

Na área de treinamento, foram necessárias reorganização de programas de treinamento, enfatizando os treinamentos ao vivo e, também palestras gravadas!

Ferramentas de videoconferência como ZOOM, SKYPE, GOOGLE MEET, MICROSOFT TEAMS, só para citar as mais comuns, foram utilizadas para treinar, interagir e integrar o colaborador nessa nova estrutura criada à distância, onde cada residência se tornou uma célula da empresa.

Existem relatos de que planos que estavam sendo estudados a mais de 2 anos, tiveram que sair do papel em cerca de um mês.

Ainda em relação a treinamentos e novas formas de se adquirir conhecimentos, as LIVES se proliferaram, com profissionais transmitindo conhecimentos e informações ao vivo pelas redes sociais, como FACEBOOK, INSTAGRAM E YOUTUBE.

Algumas empresas focaram em dar palestras de qualidade de vida a seus empregados. Muitos sentiram a mudança e precisaram de apoio emocional para suportar o trabalho à distância, a mudança brusca na rotina!

Uma outra tendência observada foi a utilização das LIVES!

Parece que surgiu a era das LIVES!!!!!

E muitos profissionais de Recursos Humanos incorporaram a utilização dessa estratégia em suas descrições de trabalhos.

A área de segurança do trabalho nunca teve em sua história tanta demanda para atender nas organizações!

A proteção de trabalhadores e clientes tornou-se prioridade máxima!

Protocolos de higiene agora se tornaram essenciais (ahh……. como se antes num fosse, num é meus amigos??)  

Equipamentos de proteção individuais, higienização, orientações, fiscalização, tudo agora ganhou grandes proporções!

Em todos os segmentos, em todos ramos de atividade!

Onde tiver um trabalhador atuando, terá uma regra de segurança a se seguida!

E todos, literalmente todos, estarão de olho!

Ninguém admitirá que um trabalhador, seja da indústria, do comércio ou de serviços, tenha em seus quadros empregados que adquiriram a COVID-19 em suas instalações, em seus restaurantes, ou em suas lojas.

Sem falar que essas regras de seguranças necessitam também ser seguidas por clientes, fornecedores e pessoas que se relacionem com a empresa.

Eu acredito que a área de segurança, no curto prazo, será a que mais demandará profissionais capacitados e atualizados com a regras de higiene e segurança do trabalho nesse novo normal.

Agora, o que falar da área de recrutamento e seleção de pessoal, num é? Bom eu entendo que essa atividade precisou quebrar seus paradigmas, rever suas normatizações e visões de mundo, para que se adaptasse a essa situação imposta pela quarentena.

Veja o que a área faz:

– Recebe os pedidos de abertura de vaga;

– Analisa perfil da vaga;

– Contata candidatos;

– Realiza os processos seletivos;

– Fecha a vaga com o candidato escolhido.

Durante décadas foi forma de se contratar um novo empregado!

As salas de espera, as salas de dinâmica, as salas de testes, as salas de entrevista!

Caros amigos, tudo isso era realizado presencialmente, olho no olho!

Com interação, relacionamento, e o famoso “olho no olho”!

Foi assim até março de 2020!

Mas precisou mudar!

Ou a mudança acontecia, ou as empresas ficariam sem a reposição de sua mão de obra para a operação!

Cabe aqui destacar a atuação do CRP (Conselho Regional de Psicologia), que flexibilizou algumas regras e procedimentos éticos em função da pandemia, para que entrevista, testes e outros procedimentos sob sua responsabilidade, tivessem a autorização de funcionar em regime on line, atendimentos a distância!

Com esse entrave solucionado, os profissionais precisaram começar a atuar com ferramentas de comunicação à distância!

Tornou-se rotina a realização de entrevista à distância, testes à distância, solicitação de videocurrículos!

Nos processos seletivos começaram a ser mais frequentes as reuniões virtuais com candidatos para realizar uma espécie de dinâmica de grupo virtual!

As decisões nessa área passaram a ter como base de dados impressões, análises, discussões, tudo a partir de um processo seletivo ancorado no virtual!

Essa foi breve descrição do que foi, do que está sendo atuar no RH das empresas nessa pandemia!

Como em todas as áreas, não existiu um manual, não teve uma experiência passada que pudesse servir totalmente de base para a tomada de decisões!

Agora, qual foi o índice de acerto e erro?

Que qualidade conseguiu atingir com o trabalho realizado?

Como se saíram os profissionais da área?

Talvez sejam perguntas que não tenham uma resposta imediata!

Pode ser que tenha variado de acordo com o segmento, com o porte da empresa, com o nível de flexibilidade das equipes de RH!

Mas uma coisa é certa!

Esse novo normal do RH terá que vir com um conjunto de novas competências, de novas posturas, para que atenda as demandas das novas relações de trabalho que se consolidaram com a pandemia da COVID-19.

E pensar que escutei de várias fontes que o home office era impraticável, que diminuía a produtividade, que não temos disciplina suficiente esse tipo de regime de trabalho.

Também escutei muita coisa contra a terapia on line, a telemedicina! E veio a pandemia e tivemos que engolir a seco essa descrença no trabalho associado a tecnologia e a autonomia!

Estamos criando uma nova cultura organizacional, e essa transição precisará ser provida de muita confiança, engajamento e comprometimento de todas as partes envolvidas.

A área de recursos humanos é fundamental para consolidar essa mudança, pavimentando o caminho para o pós-pandemia!

Participei de um curso bem interessante promovido pela PUCRS, ministrado por Leandro Karnal e Luiza Helena Trajano, totalmente On Line e extremamente atual.

Achei bem interessante uma informação de Karnal a respeito do ensino on line antes da pandemia. Karnal contou que uma tradicional faculdade de Israel não tinha em seus planos a aplicação do ensino on line. Seus Gestores eram terminantemente contra. Porém veio a pandemia e essa faculdade precisou implantar as aulas on line em poucos dias! Ou era isso, ou era a total inoperância da instituição, deixando milhares de alunos sem qualquer atividade acadêmica.

Agora contando um pouco do que Leandro Karnal e Maria Luiza Trajano trouxeram sobre dicas do “pós – pandemia”, relaciono algumas dicas, para os profissionais em geral, mas que ressalto essa atenção para os Profissionais de Recursos Humanos.

Para Leandro Karnal o pós-pandemia trará as seguintes necessidades:

– Aprender a fazer as coisas no jeito certo;

– Ter um projeto de vida;

– Desenvolver uma inquietação produtiva;

– Utilizar a resiliência e a capacidade de adaptação;

– Complementar a inteligência, com as características da Inteligência Emocional;

– Estar preparado para trabalhar autonomamente;

– Buscar uma curadoria cultural.

O pós – pandemia para Maria Luiza Trajano necessitará das seguintes características:

– Acredite ainda mais em você;

– Não critique as pessoas;

– Saiba qual é a sua missão de vida, qual sonho deseja concretizar;

– Tenha tempo para fazer as coisas que gosta;

– Faça as coisas com paixão;

– Se conheça e acima de tudo, seja você mesmo;

– Tenha fé;

– Ajude o próximo, é uma via de mão dupla.

“Nunca esqueça: Leve as pessoas ao máximo do seu potencial. Essa é a verdadeira Liderança!”  Maria Luiza Trajano

E assim eu encerro, trocando com você as experiências que acumulei como profissional de recursos humanos, de desenvolvimento de pessoal e de docência!

Para mim conhecer pessoas, desenvolver pessoas, acreditar nas pessoas, é que é o grande barato!

Não esqueça de compartilhar com seus amigos, e também de deixar seu comentário!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo – Profissional de Recursos Humanos

COMO PROCURAR EMPREGO NO PÓS – PANDEMIA

Agosto chegou!

Mês tradicionalmente utilizado para a divulgação de Programas de Trainee, Programas de Estágio e também do início dos processos seletivos para as empresas começarem a completar seu quadro de pessoal buscando talentos no mercado.

Com a quarentena provocada pela Pandemia do COVID-19, algumas empresas estão até reavaliando seu planejamento para 2021 e redefinindo seu quadro de pessoal. Tem muita incerteza no mercado de trabalho!!!!

Mesmo assim não podemos deixar de lembrar que agosto também é o mês de reinício das aulas, depois das férias desse meio de ano!

Observo que a pandemia não está dando sinais de que vai acabar!  Nesse cenário de continuidade da pandemia, e também com os governos flexibilizando a quarentena, a atividade econômica começa a retomar seu funcionamento normal!

Durante esse período de isolamento, muita coisa no RH mudou, em especial nos processos seletivos! Nessa reinvenção do RH, vários processos de trabalho precisaram se modernizar.

O recrutamento intensificou a utilização de suas bases digitais. O candidato para ter acesso à vaga precisa estar cadastrado no site da empresa (Trabalhe Conosco).

Além de se cadastrar nos sites da empresa, o candidato precisa também estar com seu currículo em sites especializados em banco de dados de Candidatos, como a Catho , a Infojobs, o Vagas.com, o Currículun.com.

De um tempo para cá os selecionadores buscam candidatos informando a palavra-chave principal do cargo. Com o auxílio de inteligência artificial, buscadores refinados, e outras ferramentas especializadas desenvolvidas para esse fim, capturam os currículos de candidatos com perfil mais adequado à vaga.

Além dessa forma de selecionar candidatos, a área de recrutamento também utiliza de fontes de recrutamento ligadas à redes sociais, como o Linkedin e os grupos de Whattsap.

Tem destacada importância também nesse momento os cursos de formação e especialização, que também se tornam importante forma de recrutamento de potenciais candidatos.

Ahhh, o R H implantou novidades na área de seleção! Grande número de empresas automatizou e também implantou seleção à distância, pois o isolamento social limitou a possibilidade dos candidatos deslocarem-se até a sede da empresa.

A seleção começou a ser feita totalmente On Line. Começaram a ser solicitados vídeocurrículos, entrevistas On Line por sistemas de videoconferência começaram a ser realizadas! O CRP liberou em caráter de emergência, os testes de seleção On Line. Todas essas novidades vieram cercadas de procedimentos, protocolos e cuidados éticos para preservar o candidato que se submete a esses processos seletivos.

Quanta novidade num é mesmo?

Poxa Arnaldo, mas só agora, cinco meses depois você solta esse post!!!!

Se soubesse disso lá para março ou abril, já estaria empregado, pois fiz esses processos seletivos e não passei!

O que você recomenda Arnaldo?

Pois é meu querido candidato! As coisas são assim mesmo! Somos pegos de surpresa.

Mas eu devolvo a pergunta: Como você pode se preparar para os novos tipos de processo seletivo adotados no pós-pandemia?

Não tenho uma receita de bolo para você, mas acredito que possam ser seguidos os seguintes caminhos:

– Ter um perfil atualizado nas redes sociais, principalmente no Linkedin;

– Inscrever-se e participar de grupos de profissionais no Whattsap;

– Cadastrar-se no “Trabalhe Conosco” de empresas que você considera referência e que podem vir a precisar de profissionais com suas características e experiências;

– Preparar um vídeocurrículo, com o seu celular;

– Abrir contas nos sistemas de videoconferência, gratuito mesmo, como o Skype, Zoom ou GoogleMeet, para participar de entrevistas On Line ou de dinâmicas de grupo on line;

– Manter-se atualizado no seu cargo, pesquisando em fontes confiáveis, notícias ou novidades sobre sua tarefas;

– Inscrever-se em cursos On Line, mesmo que gratuitos, para atualizar-se profissionalmente;

Encerrando as dicas desse post, peço encarecidamente que você avalie a possibilidade de vir a trabalhar em home office.

Trata-se de uma tendência que veio forte e em alguns casos de forma definitiva.

Essa questão me faz te lembrar que o home office rompe a barreira da distância para se chegar ao trabalho, vez que você pode exercer a função na sua casa e a empresa ser em outras cidade, Campinas por exemplo.

Bom, eu espero que essas dicas e informações sejam úteis para você aumentar as chances de conquistar um novo emprego!

Um forte abraço,

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach de Carreiras

PROCESSOS SELETIVOS E O NOVO NORMAL

Temos observado que desde a decretação do estado de emergência em função da pandemia do COVID-19, o trabalho está em acelerada transformação.

Do dia para noite as empresas estruturaram o Home Office nas residências de seus colaboradores.

Empresas começaram a vender pelo E-COMMERCE, restaurantes fecharam as portas e começaram a vender comida pelos aplicativos e as escolas começaram a dar aula On Line! Até o dia em que o mundo parou!

Quarentena, distanciamento social, tensão, medo, pavor!!!!! Ufaahhh

Mas o mundo continuou, as empresas continuaram, ou pelo menos parte delas.

Pessoas se adaptaram ao novo modelo, pessoas pediram para sair, pessoas tiveram seus contratos de trabalho suspenso e muitas outras tiveram suas carga horária e salários reduzidos.

Nesse turbilhão de acontecimentos está o RH, que literalmente precisou se inventar.

Vagas surgiam,. postos de trabalhos ficaram sem seus colaboradores, e agora?????

O RH precisou contatar seus candidatos e fazer suas entrevistas ON LINE!!!! Mas Arnaldo, o RH até outro dia num era resistente a entrevistas ON LINE???

Pois é a pandemia, está ressignificando e flexibilizando procedimentos, processos, avaliações e também o processo seletivo precisou mudar!

Não foram somente as entrevistas que mudaram, agora também o selecionador está pedindo o vídeocurriculo como uma das etapas para o selecionador escolher os candidatos que entrevistará! Antes da Pandemia instituições como Itaú, Bradesco entre outras já adotavam essa prática!

Vale lembrar que o CRP autorizou e criou mecanismos para que tanto seleção, quanto aplicação de testes foram autorizadas suas aplicações, mediante procedimentos previamente autorizados!

E você? O que acha dessas novidades nos processos seletivos?

Eu acredito nessa evolução como inevitável, vez que o avanço tecnologico está transformando nossas relações e interações com o mundo!

Deixe sua opinião!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL – saiba mais

A transformação no mercado de trabalho está a cada dia chegando mais próximo das nossas empresas.

As novas tecnologias, a economia circular, a globalização, todos esses fatores levam os profissionais a desenvolverem uma sobrecarga emocional que muitas vezes desencadeia em estresse, doenças emocionais e outras complicações, que invariavelmente levam a um nível de desmotivação e insatisfação enorme.

Em razão de todos esses motivos conhecer um pouco mais sobre inteligência emocional acaba sendo importante, e em muitos casos a oportunidade de desenvolver um diferencial competitivo!

Daniel Goleman, psicólogo e pesquisador do tema, definiu inteligência emocional como a capacidade de reconhecer suas emoções e a das outras pessoas!

Em sua pesquisa, desenvolveu o conceito de que a inteligência emocional possui características próprias! A seguir relatarei brevemente a definição de cada uma delas:

AUTOCONHECIMENTO – Nível de conhecimento de si, sabem lidar com as emoções que estão sentindo;

EMPATIA – Capacidade de colocar-se no lugar do outro, sentir a emoção do outro;

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL – Capacidade de relacionar-se bem, influenciar e persuadir pessoas;

AUTOCONTROLE – Capacidade de controlar-se em situações difíceis e extremas;

AUTORREGULAÇÃO – Consegue com frequência adiar gratificações, recompensas e prazeres imediatos para conquistar seus objetivos.

AUTOMOTIVAÇÃO – Busca em si a motivação para superar as adversidades e dificuldades;

Como vê, inteligência emocional tem aplicação prática, diária, envolve treinos constantes com perseverança, determinação e foco!

Como está sua inteligência emocional?

Um forte abraço!

 

Arnaldo Santos

Psicólogo e Coach

#academiaderadiologia; #coachdecarreira #mentoria#aconselhamentodecarreira ; #arnaldosantoscoach ;

 

TRABALHO TEMPORÁRIO saiba mais

O trabalho temporário é uma importante forma de trabalhar aproveitando as oportunidades de trabalho geradas para cumprir necessidades pontuais, de curtos períodos. Essa modalidade de contrato é utilizada pelas empresas para suprir a necessidade de mão-de-obra originadas principalmente pelo aumento momentâneo nas vendas, na produção ou nos serviços prestados, causado pela sazonalidade. Normalmente essas necessidades sazonais ocorrem por causa das datas comemorativas, do fechamento de pedidos urgentes, férias dos empregados, afastamentos médicos entre outros.

No país, o trabalho é regulamentado pelas leis 6.019/74 e 13.429/17 que estabelecem os critérios para abertura e funcionamento das empresas de trabalho temporário, para os contratos firmados entre as empresas de trabalho temporário e os tomadores de serviços, e dos contratos entre os tomadores de serviço com os empregados temporários.

Destaco alguns artigos que definem as regras legais e com as características dessa importante forma de contratação, que movimenta milhares de profissionais por todo país e que, principalmente em razão da proximidade das festas de final de ano, estão gerando em dezembro milhares de oportunidades de contratação. Vale a pena conferir e preparar-se para trabalhar nas vagas temporárias que o comércio, indústria e serviços criaram em razão do aumento na demanda por produtos e serviços.

Lei 13.429/17, de 31 de março de 2017, que alterou dispositivos da lei n 6.019 de 03 de janeiro de 1974

Definição de Trabalho Temporário: O artigo 2º define que é aquele prestado por pessoa física contratada por uma empresa de trabalho temporário que a coloca à disposição de uma empresa tomadora de serviços, para atender a necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou à demanda complementar de serviços.

Definição de Empresa de Trabalho Temporário: O artigo 4º define que é a pessoa jurídica, devidamente registrada no Ministério do Trabalho, responsável pela colocação dos trabalhadores à disposição de outras empresas temporariamente.

Definição de Tomador de Serviços: O artigo 5º define que é a pessoa jurídica ou entidade a ela equiparada que celebra contrato de prestação de trabalho temporário com a empresa definida no artigo 4º. (artigo anterior)

Contrato de prestação de serviços entre a empresa de trabalho temporário e o tomador de serviçosO artigo 9º determina que deverá ser por escrito, ficará à disposição da autoridade fiscalizadora no estabelecimento da tomadora de serviços;

Destaque em relação a esse artigo – A contratação de empregado temporário deverá ser expresso o motivo justificador da demanda de serviços temporários; deve conter disposições sobre a segurança e medicina do trabalhador, independente do local da realização do trabalho;

Contrato de Trabalho Temporário

Direitos Trabalhistas do Empregado Temporário artigo 12 – O artigo define o direito do empregado temporário na dispensa sem justa causa:

– Jornada de Trabalho igual ao trabalhador efetivo, com as mesmas garantias no pagamento de eventuais horas extras

– Férias proporcionais

– Jornada de trabalho

– DSR (Descanso Semanal Remunerado)

– Adicional noturno

– Indenização de 1/12

– Seguro de acidente do trabalho

– Anotação na carteira de trabalho do período trabalhado como trabalho temporário

Do Vínculo Empregatício – Artigo 10º – parágrafo 1º ao 6º

artigo 10º – O artigo determina que qualquer que seja o ramo de atividade da empresa tomadora de serviços, não existe vínculo empregatício entre ela e os trabalhadores contratados pelas empresas de trabalho temporário.

Prazo do Contrato de trabalho Temporário – Parágrafo 1º e 2º

 O parágrafo 1º determina que o contrato feito com a tomadora de serviços terá validade máxima de 180 dias consecutivos ou não,

O parágrafo 2º determina o que o período do contrato de trabalho poderá ser prorrogado por mais 90 dias, consecutivos ou não desde que tenha se mantido o motivo que ensejou o contrato do empregado.

O parágrafo 4º trata da Experiência determina que não é aplicável ao trabalhador temporário o período experimental previsto no artigo 445 da CLT, ficando o contrato de trabalho firmado considerado por prazo indeterminado.

O parágrafo 5ª explica que caso o empregado temporário seja novamente contratado mesmo que passados os 180 dias iniciais do contrato temporário e os 90 dias da prorrogação, antes do período de 90 dias, o tomador de serviço estará sujeito ao vínculo empregatício com esse trabalhador temporário.

Parágrafo 6º esclarece que o tomador de serviço responde subsidiariamente pelo recolhimento dos encargos trabalhistas previstos em lei, portanto deve fiscalizar os recolhimentos efetuados pela empresa de trabalho temporário, referente aos empregados que prestam serviços na tomadora.

Vantagens do Trabalho Temporário

No Brasil temos inúmeras datas comemorativas que podem ser levadas em conta pelo empregado. Ele firma o contrato executa a função ao qual foi contratado e ao terminar o contrato, vai para outra empresa.

Datas comemorativas como Dias dos Pais, Dias das Mães, Dia dos Namorados, Dia das Crianças, as Festas de Final de Ano, e outras datas que estão ganhando destaque na cultura brasileira como a Black Friday e o Halloween, impulsionam o comércio e geram oportunidades de emprego temporário.

Situações como Férias do empregado efetivo também traz movimentação nas vagas temporárias. A temporada de Verão e as Férias do mês de Julho aumentam o serviço em bares, restaurantes, agências de turismo, empresas aéreas e marítimas especializadas em roteiros de viajem

A cada ciclo de contratação de empregado temporário, o empregador tem a oportunidade de reavaliar o quadro de pessoal, sendo muito comum a efetivação de empregados temporários, abrindo portas para uma carreira promissora na empresa.

Como vimos, esse conjunto de regras que normatiza o trabalho temporário mostra que é uma excelente forma de trabalhar por períodos curtos. E garantido os direitos trabalhistas, traz custos mais acessíveis ao empregador que necessita de mais empregados, que contrata enquanto sua atividade empresarial está aquecida.

O empregado temporário também pode ao longo de sua trajetória profissional acumular experiências profissionais de qualidade em razão das diferentes empresas que prestou serviço como trabalhador temporário.

O tema é amplo e não se esgota nesse artigo. Caso você tenha dúvidas, deseje mais informações ou orientações, deixe seus comentários e entraremos em contato.

Arnaldo Pereira dos Santos

Administrador e Profissional de Recursos Humanos

HUMANIZAÇÃO E AS RELAÇÕES INTERPESSOAIS NAS INSTALAÇÕES HOSPITALARES

Humanização no sistema de saúde

Tenho ouvido de colegas da área de psicologia, com uma certa frequência, que eles estão desenvolvendo projetos e treinamentos para clínicas e hospitais, com o foco na humanização da área de saúde, abrangendo desde a recepção até a área técnica e especializada. Isso tem me chamado muito a atenção!!!

Vivemos num mundo onde a tecnologia está incorporada em praticamente todas as áreas do conhecimento. Ela tem nos ajudado a chegar em longínquos locais do espaço, a explorar as profundezas da Terra e de nossos oceanos, a nos comunicar pelos quatro cantos do mundo, em tempo real e com qualidade de imagem e de som. E nesse mundo com tecnologia avançada, vejo que precisamos treinar as pessoas a serem mais humanas, gentis, amigas, solidárias! Que contradição, não acham!

O ambiente da área da saúde envolve o contato com pessoas. Pacientes, médicos, acompanhantes, colegas de trabalho. Trabalhar nesse tipo de atividade envolve sobretudo, gostar de gente.

Nesse tipo de ambiente, uma recepção que recebe pais, crianças, avós, é inimaginável não ter um atendimento que envolva um sorriso, pessoas simpáticas e preocupadas com o bem estar, que não abordem esse atendimento cumprimentando as pessoas com um cordial bom dia, boa tarde, boa noite, agradecendo alguma atitude do paciente, do colega de trabalho.

Da mesma maneira ao receber o paciente, o atendente que pode ser o médico, o enfermeiro, a recepcionista, dentro do possível dar um aperto de mão, oferecer um copo de água, dar um lenço de papel para enxugar uma lágrima!

O contexto desse ambiente humanizado pede que durante o diálogo, que pode ser formal ou informal, perguntar se a pessoa precisa de uma ajuda, se algo pode ser feito. Esse ato de “estar disponível”, traz como consequência uma gratidão enorme do indivíduo.

Não deve ser esquecido que essa pessoa pode estar fragilizada, carente, e esse simples ato de solidariedade, de “ocupar o lugar do outro, estar no lugar do outro” faz uma tremenda diferença!

Muitos pensam que o ambiente hospitalar é somente uma local onde é receitado medicamentos homeopáticos ou alopáticos, mas “essas doses de “carinho e preocupação com o outro” também é um medicamento de extrema importância, ajuda a curar as dores emocionais.

Penso que o profissional antes de escolher em qual formação deve seguir, deve fazer uma avaliação de seu grau de humanidade. Se a avaliação for somente focada nas habilidades técnicas, no retorno financeiro que a profissão pode oferecer, e de certa forma negligenciar essa possibilidade que a habilidade humana pode oferecer, o profissional não deve escolher a área da saúde para trabalhar!

Deve buscar as tradicionais carreiras das ciências exatas, tecnologias e finanças, onde o êxito pode ser muito maior, e o contato humano não é tão intenso. Dessa forma poderá dedicar-se ao seu laptop, celular, ou tablet, o tempo que for necessário, sem precisar interagir com humanos de carne e osso, emoções e dores, das quais pouco se interessa ou pouco se abala. Trabalhar na área da saúde significa ser apaixonado por gente, companheiro na dor e no sorriso, apoiar, incentivar, dar esperança, afeto e ser solidário.

Penso que por mais tecnologia que a área da saúde incorpore, o que fará diferença mesmo é o atendimento humanizado, personalizado, diferenciado, centrado na pessoa e na busca por soluções que envolvam a capacidade que os homens tem de criar um mundo melhor.

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

ENTREVISTA DE SELEÇÃO: AUMENTE SUA CHANCE DE SER CONTRATADO

Você está preparado para realizar a entrevista de seleção para a vaga que tanto deseja ocupar?

O período está favorável para que os selecionadores te chamem para a realização de uma entrevista!

Estamos no mês de outubro e as empresas estão contratando por diversos motivos e  como você já encaminhou diversos currículos, pode logo ser uma das pessoas chamadas para o processo seletivo.

Por que o mês de outubro tem esse aumento de oportunidades de emprego?

Podemos considerar vários motivos que levam a empresa a buscar novos profissionais para seu quadro de pessoal. Vou citar alguns:

– O aumento do movimento nas lojas em razão da aproximação das Festas de Fim de Ano;

– A consolidação do planejamento das empresas para o ano de 2020

– Preenchimento das vagas de seus Programas de Estágio e Programa de Trainée

– A evolução tecnológica, que trará às empresas uma transformação na forma de trabalhar. Surge a necessidade de formar equipes que serão treinadas e capacitadas a trabalhar com as novas tecnologias

– Movimentação no quadro gerencial das empresas, em razão da aposentadoria de peças estratégicas da empresa

Você vai querer ficar de fora dessa oportunidade de participar ativamente de entrevistas e demais etapas dos processos seletivos que estão abertos nesse período?

Talvez você pense agora:  “ Mas não fui chamado para entrevistas, o que devo fazer?”

Como você sabe, para ser chamado para uma entrevista, seu currículo precisa ser selecionado, ou seu nome indicado a uma vaga.

Acontecendo essa inclusão no processo seletivo, imediatamente a área de Recursos Humanos entrará em contato e agendará com você a data de uma entrevista. Com a entrevista agendada você começa a focar suas energias no bom desempenho nessa entrevista.

São dezenas de dicas e sugestões que poderia te dar, mas vou escolher algumas que podem te dar uma boa ajuda:

– Pesquise o maior número de informações sobre a empresa. Acesse o site dela e verifique sua história, a Missão, Visão, Valores, quais os principais produtos, os principais concorrentes.

Acesse também as Redes Sociais dela para verificar qual a visibilidade da marca, se é uma empresa que tem problemas com clientes, enfim, informações úteis sobre ela.

– Repasse todos os pontos do seu currículo. Foque nas principais informações profissionais.

– Relembre como foi seu processo de desligamento das empresas anteriores, nome dos ex-chefes, telefone do RH. Independente do que você falar eles consultarão suas referências profissionais nas empresas anteriores.

– Não deixe de revisar cada uma das principais tarefas, equipamentos e rotinas que executou nas empresas anteriores. Você em algum momento da entrevista precisará responder perguntas técnicas e comportamentais sobre esse tema no processo seletivo.

– Como você está no item Formação profissional, cursos, desenvolvimento profissional? Esse item poderá ter perguntas sobre quanto tempo você tem dedicado a se atualizar em sua profissão, vez que num mercado dinâmico e de atualização constante, suas respostas podem ser decisivas para sua escolha no processo seletivo.

– Objetivo profissional, qual é o seu objetivo?

Essa questão poderá te alinhar com a vaga que está concorrendo ou eliminá-lo. Pense onde quer chegar, quais recursos tem para atingir esse objetivo e o que tem realizado que tem te deixado mais perto dele. Esse fator bem explicado, esclarecido e abordado pode encantar o selecionador ou descartá-lo das próximas etapas!

Cheguei na empresa e estou aguardando ser chamado para a entrevista. E agora?

A dica que dou é simples: cuidado com a ansiedade, ela pode ser sua sabotadora. A ansiedade fora do controle pode te desestabilizar e levar por terra todo preparo anterior e a entrevista, ter um resultado abaixo do que você esperava.

Pode surgir também um certo estresse, que associado a ansiedade pode te deixar nervoso, com o coração acelerado e a mão suada. Procure controlar-se, pensar em coisas positivas e agradáveis para tranquilizar-se.

Me chamaram, e agora? Já senti que fiquei vermelho e tenso. O que fazer?

O primeiro contato com o selecionador deve ser com cordialidade, educação e simpatia. Durante a entrevista preste o máximo de atenção nas perguntas feitas, nas explicações sobre a vaga, na apresentação da empresa e da vaga que está concorrendo.

Procure expressar tranquilidade na sua voz, nas suas expressões corporais e faciais. Preste atenção no estilo do selecionador, se ele está disponível para conversar, dialogar, debater sobre determinados assuntos, ou pelo contrário está objetivo, prático e seco em suas colocações.

Essas observações conduzirão sua interação durante a entrevista, podendo ocorrer inclusive o fenômeno do “rapport” que é uma espécie de sintonia entre selecionador e candidato.

Durante a entrevista, como me comportar?

Todas essas observações mostrarão como deve ser sua postura e comportamento durante a entrevista. Determinará inclusive como ocorrerá sua comunicação. Se será clara, objetiva, segura, explorando todo seu conhecimento, maturidade e capacidade profissional.

Complicado num é?

Você esperou tanto por essa oportunidade e agora que chegou tem tanta coisa para fazer, para preparar, para estudar!!!!!!

É assim mesmo!!!!

Atualmente as vagas de emprego são concorridas. Tem processo seletivo que tem cerca de 40 candidatos por vaga, é mais concorrido do que muitos vestibulares de universidades de ponta espalhadas pelo pais.

Por isso você não pode ser apenas mais um que participará de entrevistas, dinâmicas ou provas! Tem que sem “o candidato”, focado, preparado, equilibrado, que trará segurança ao selecionador, convicção de que você pode fazer a diferença na empresa que o contratar. Que vale a pena o selecionador aprová-lo para outras etapas do processo seletivo, recomendar a sua contratação.

Te desejo sucesso, se alguma dúvida persistir, desejar fazer um comentário ou dar um depoimento sobre a entrevista que participou, mantenha contato.

 

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach de Carreira