RELACIONAMENTOS TÓXICOS

Relacionamentos tóxicos: saiba mais sobre o tema

Sabemos que relacionar-se é uma característica humana, essencial para sobrevivência.

Provavelmente não teríamos sobrevivido ao longo do tempo se não tivéssemos essa característica inerente à raça humana.

Somos fisicamente mais frágeis que inúmeras espécies animais.

Se não tivéssemos a união para sobreviver, não chegaríamos até os dias atuais.

O relacionamento evoluiu com a evolução da raça humana.

Nossas primeiras experiências com relacionamentos surgiram no seio da família, passa pelos bancos escolares, solidifica com o trabalho e por aí vai ao longo da vida.

A habilidade de relacionar-se necessita de outra habilidade que desenvolvemos com o tempo, a habilidade da comunicação.

Comunicar-se bem ajuda na construção de relacionamentos.

Na infância, nosso relacionamento com os pais passa pelo aprendizado da comunicação.

Inicialmente é um choro, um sorriso, um grito de dor, tudo para chamar a atenção de quem cuida da gente, seja para alimentar-se, trocas as fraldas, receber carinho.

Esses laços construídos na infância prolongam-se pelo resto da vida.

Vínculo sólido, genuíno que é o alicerce para grande parte dos indivíduos.

Quando chega a fase de frequentar a escola somo submetidos a novas experiências com relacionamentos.

Surgem as figuras dos professores, dos amiguinhos, dos pais dos amiguinhos. Desenvolvemos a partir daí a capacidade do convívio social.

Confrontamos aquilo que nossos pais ensinaram, com o que a sociedade pratica.

E por aí vai até a adolescência, fase em que muitos começam também a trabalhar, fazer estágios, profissionalizar-se para futuramente conseguir o sustento para a geração de novas famílias, novas crianças, que garantirão o ciclo da vida.

Só que nesse meio está a formação da personalidade, do caráter, da ética, das competências do indivíduo.

Começamos a confrontar nossos interesses com outros interesses, começamos a usar do poder, da persuasão, da negociação, da imposição, da política.

Começam aí questões que geram muitos conflitos, muito desgaste, inclusive transtornos de personalidade. Essas interferências na vida cotidiana muitas vezes provocam sofrimento, cicatrizes, sequelas, geram angústias difíceis de solucionar sem uma ajuda especializada.

Na fase familiar é passado o valor de que o ser humano precisa criar sua família, seus filhos, construir um lar ideal, que lhe traga felicidade.

E o ser humano vai em busca desse relacionamento.

Experimenta a convivência a dois, que muito prazer lhe traz.

Porém desse relacionamento também surge dependência emocional, pressão, cobrança, implicância, opressão.

Normalmente provocada pela parte que tem em suas características o individualismo, o egoísmo, a agressividade, a sedução, o sentimento de posse sobre o outro, sem falar do oportunismo em tirar proveito da situação.

O relacionamento que tinha como objetivo a felicidade, transforma-se num relacionamento tóxico, perverso, muitas vezes sádico.

Da mesma forma as relações profissionais.

Somos contratados numa empresa para seguir uma carreira, conquistar objetivos e metas, realizar um sonho, ter poder e visibilidade.

Só que outras pessoas também desejam tudo isso.

E a vida profissional vai afunilando os relacionamentos.

Com isso começam as competições, as intrigas, os conflitos, a politicagem!

Tudo para que esse destaque promova alguém, dê os louros da vitória a alguém.

Essas relações profissionais não são muito justas, causam decepções e frustrações. Provocam ira e mágoas.

Os relacionamentos começam a ser desviantes, superficiais, interesseiros.

Começam a surgir questões que no meio organizacional chamam de “puxa-saco”, de “X9”, informantes.

Os relacionamentos já não são mais sinceros, predominam o “toma lá da cá”, “dando que se recebe”, negociações e negociatas.

Surgem os grupinhos do poder, surgem questões ligadas a favorecimento e indicações, tudo predominando à capacidade, desempenho e produtividade.

Toda essa descrição para falar dos relacionamentos tóxicos.

Eles aumentaram na pandemia, a crise sanitária e econômica fez com que as pessoas deteriorassem seus relacionamentos familiares, profissionais, afetivos de uma maneira assustadora.

Assédio moral, assédio sexual, humilhações, manifestação gratuita de poder são tornadas públicas a cada dia.

Para não falar de agressões físicas que também vieram à tona contra mulheres, LGBT+, crianças, animais.

Temos uma crise de relacionamentos em andamento.

Diferenças de personalidade, irritação, desespero, perda da razão.

Mas essas são as manifestações extremas!

Elas surgem de uma elevação de voz, uma crítica severa, uma piada de mau gosto, um xingamento, um pequeno tapa.

Que é relevado, que é tolerado na esperança de ser um destempero momentâneo, um comentário do tipo “ahh esse é o jeito dele, não liga não, vai passar!!!!!”.

Porém não passa!

O relacionamento tóxico é encoberto por nós em razão de ter um sentimento envolvido, uma esperança que temos de melhora, uma dependência que criamos em relação à pessoa tóxica.

Mas porque isso acontece?

Esse envolvimento, essa dependência, essa tolerância!!!

Cada caso é um caso, pode passar pela carência, pode passar pelo estilo de personalidade, pode passar pelas experiências vividas na infância com pais tóxicos!

Mas é preciso um basta, uma atitude de reagir a essa situação, para que nossa saúde física e mental seja restabelecida, retomada, resgatada.

Talvez não exista uma receita, uma fórmula para que essa questão seja de vez resolvida!

Porém é inegável que amor próprio, autoestima elevada, reconhecimento do nosso valor e do nosso potencial, poderão ser importantes formas de blindar contra os relacionamentos tóxicos, abusivos e sufocantes, que tiram nosso brilho e nossa energia.

Espero que o texto tenha trazido uma reflexão sobre o tema, tão importante para nossa sequência de evolução e desenvolvimento físico, emocional e social.

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

SAÚDE MENTAL E A BUSCA DO TRABALHO PELA JUVENTUDE

O trabalho tem papel importante na vida do indivíduo. É por meio dele que as pessoas conquistam seu espaço, seu status social.

Trabalhar significa dar utilidade e valor ao subjetivo do indivíduo.

Desde cedo é incutido na educação da criança a necessidade de escolher uma profissão, uma carreira. Era muito comum os pais e pessoas do convívio da família chegar na criança e perguntar: O que você quer ser quando crescer?

Para muitas famílias a necessidade de se obter o sustento faz com que as crianças interrompam o período da infância, deixem de brincar e de estudar para trabalhar e ajudar no orçamento familiar!

Eu mesmo comecei a trabalhar com 14 anos em um emprego que meu pai me arrumou. Aprendi a ter responsabilidade, comecei numa profissão e dividi meu tempo com a escola, o trabalho e o convívio familiar. Sou muito grato a meu pai por ter me ajudado nessa fase tão importante da vida. Conheci outras pessoas que me incentivavam a aprender cada vez mais a profissão.

Porisso, quando vejo a dificuldade atual que o jovem tem em iniciar sua vida profissional, busco maneiras de ajudar e apoiar.

Quando se chega na fase adulta, o trabalho já está incorporado na vida do jovem, seja como estagiário, jovem aprendiz ou empregado registrado.

Toda essa responsabilidade, que começa cedo para muitos jovens, faz com que exista a necessidade da divisão do foco, do tempo entre estudo e trabalho.

Para outros, apesar da necessidade, a rotina escola/trabalho demora a iniciar, principalmente em razão da falta de oportunidades gerada pelas crises econômicas, e, também pela baixa qualificação.

Toda essa necessidade de ser inserido no mercado de trabalho traz no jovem algumas consequências para o seu psicológico.

A pressão por resultados, a necessidade de ajudar financeiramente os pais, a dupla jornada, a pouca experiência. Esses fatores trazem efeitos colaterais como estresse, angústia, transtorno bipolar. Por vezes trazem também o começo do uso de substâncias lícitas e ilícitas para suportar essa carga emocional, utilizado como uma fuga, como um pedido silencioso de ajuda, de socorro não escutado, não atendido!!!

Cabe às partes envolvidas ajudarem esses jovens. O papel da família, escola, empresa precisa ser de apoio e compreensão, de escuta das necessidades e angústias pelas quais está passando!!!

A família precisa dar o apoio emocional e fraterno durante conversas, desabafos e crises! A escola precisa acompanhar por intermédio do professor, do supervisor de estágio e de setores de apoio psicológico, o processo de ensino aprendizagem. A empresa precisa dar suporte por meio do RH, do gestor e de Coach/Mentor no direcionamento da carreira e ajustes comportamentais ou emocionais.

Com essa “rede” o jovem poderá desempenhar melhor suas tarefas, aprender os processos envolvidos em sua profissão e desenvolver relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente de trabalho. Cabe lembrar que essa proteção ou apoio dará a sustentação e confiança necessárias para o crescimento pessoal, profissional e consequente amadurecimento do jovem profissional.

Tenho visto ao longo de minha carreira talentos desperdiçados por não terem esse apoio, tão necessário nesse momento profissional. Percebi que começaram a se desiludir com a profissão, com a falta de reconhecimento e valorização, bem como da orientação para superar dificuldades e obstáculos próprios da carreira que escolheram. Muitos outros começaram a desenvolver estresse, problemas de relacionamento, envolver-se em conflitos, acabaram desistindo da profissão.

Todos sabemos que a empresa, quando avalia um profissional que não entrega resultados, que começa a ter problemas disciplinares, apresentar desmotivação, acaba por rescindir o contrato.

De volta para o mercado de trabalho, o jovem sem trabalho ou estágio, com contas para pagar, pressionado pelos familiares para encontrar um novo emprego, fica perdido, desanimado, desmotivado. Esse ciclo de baixa, acaba o impedindo de bons resultados em processos seletivos, pois seu desempenho fica comprometido pela baixa autoestima e insegurança, entre outros fatores.

Conscientizar a necessidade da sociedade também apoiar nossos jovens! Alertar sobre o estresse, depressão, ansiedade generalizada, Síndrome de Bournout. Essa conscientização ajudará a todos entender sobre a importância da Saúde Mental!

Certamente teremos um ganho! Penso que a juventude é a certeza da renovação nas empresas, da continuidade da sociedade, de uma nova energia e entusiasmo nos ambientes sociais e profissionais. Todos ganham – jovens, família, escolas, empresas.

No mais fico por aqui, convidando vocês a visitar nossas redes sociais, compartilhar nossos conteúdos e informações, acompanhar meus conteúdos sobre temas ligados a psicologia, coach, empreendedorismo.

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

DICAS PARA CONTROLAR A ANSIEDADE

Quem nesse pais não ficou ansioso durante a quarentena e isolamento social provocado pela pandemia da COVID-19?

Essa pergunta, pelo que já percebia, pelo que vivi e pelo contato que tinha remotamente com muitas pessoas, não foi difícil de responder!

Quase ninguém ficou sem sentir algum tipo de ansiedade nesse período!

Eu mesmo fui vítima da ansiedade durante esse período de pandemia! Várias coisas aconteceram nesse período da minha vida, em razão dessa pandemia, entre elas:

– Comecei a lecionar on line;

– Deixei de conviver com amigos, parentes, com a faculdade;

– Perdi meu emprego em razão da reestruturação da universidade que trabalhava;

– Minha irmã teve contato com uma colega de trabalho que teve COVID-19, e por esse motivo, ficou em isolamento durante 15 dias. Como moro com ela, também fiquei em isolamento. Graças a Deus, o resultado foi negativo para a COVID. Ufahh!

Em razão disso, foi inevitável me sentir bem ansioso Precisei de ajuda especializada para controlar minha ansiedade!

Com as orientações, leituras e conversas pude aprender algumas estratégias para diminuir a ansiedade.

Compartilho com você nesse post.

Importante alertar que caso seu nível de ansiedade esteja elevado, incomodando, impedindo que sua vida siga normalmente, procure ajuda especializada também! Converse com seu médico.

As dicas que te passo são as seguintes:

  1. REDUZA O ESTRESSE DIÁRIO

O estresse é benéfico, ele nos deixa em alerta e atentos, porém descontrolado ele torna-se prejudicial a saúde. Considero bem interessante você avaliar a prática da Meditação, de técnicas respiratórias, de técnicas de relaxamento. Com o tempo de prática você terá benefícios e os mais expressivos são a flexibilidade e fortalecimento muscular, além do aumento da vitalidade e disposição.

  • EVITE PENSAMENTOS NEGATIVOS

Realmente a pandemia trouxe uma enxurrada de notícias negativas. Seja pelos meios de comunicação, seja por amigos e parentes ou presenciando fatos negativos, nossa mente está cansada de ouvir coisas ruins. Comece a avaliar o quanto isso está te afetando, perceba a gravidade desses pensamentos, quanto tempo eles ficam na sua mente e se você, em razão disso, não consegue pensar em outra coisa. Separe o que é realidade e o que sua mente está criando de medos, fantasias e situações ilusórias. A partir daí tente mudar seu estado mental, transformar o pensamento negativo em pensamento positivo, no aprendizado com essa experiência, tente pensar que é uma alavanca para seu amadurecimento e desenvolvimento. Tenho certeza que você sairá melhor do que estava, bem mais experiente, mais equilibrado, valorizando muito mais a vida.

Obs: A PNL pode ajudar na mudança do estado mental, estimulando o pensamento de situações agradáveis, a percepção, em alguns casos até mesmo imaginando, visualizando lugares ou pessoas agradáveis.

Os pensamentos negativos geram sensações fisiológicas desprazerosas (mal – estar, descontrole respiratório, dores musculares.)

  • MANTENHA ATENÇÃO NO PRESENTE

Pense, o passado não muda, o futuro não existe ainda, portanto viva o presente. Isso não quer dizer que você vai deixar de planejar, vai deixar de lembrar dos momentos que já viveu na sua vida. Mas lembre-se, é importante o foco no “aqui e agora”, dar atenção ao momento presente. Pensar dessa forma traz como benefício o aumento da capacidade de análise da situação, além de afetar o julgamento e suas ações e decisões.

  • SEJA MAIS ORGANIZADO

Trabalhar, estudar e viver num ambiente minimamente organizado ajuda no controle da ansiedade. Com o tempo organizado você consegue utilizar melhor seu tempo, uma de suas maiores riquezas. Nesse momento que o trabalho está sendo “Home Office”, você fica mais tempo em casa, cumprindo as tarefas de seu trabalho. Com o ambiente organizado, as tarefas bem divididas e o tempo bem gerenciado, você poderá ter a ansiedade controlada a níveis aceitáveis.

  • DEDIQUE TEMPO PARA SE CUIDAR

Seja capaz de dedicar um pouco de tempo e energia para você mesmo. Autocuidado é a palavra. Sono equilibrado, boa alimentação, descanso, ambiente saudável, boas conversas, uma leitura ou um filme para distrair, esses cuidados possibilitam um ganho em qualidade de vida inimaginável.

  • CONFIE EM SI MESMO (AUTOCONFIANÇA)

Reconhecer suas virtudes e limitações traz um conhecimento sobre sua capacidade e competência. Entender seus pontos fortes e fracos aumenta a confiança em você mesmo. Esse diagnóstico sobre você ajuda a ajustar suas expectativas profissionais e pessoais. Como ganho traz o aumento da sua autoestima e você começará a perceber o quanto você é uma boa companhia, principalmente “para você mesmo”! Então te digo: – Seja uma boa companhia para você mesmo!

Espero que essa turbulência causada pela pandemia, agora já na sua segunda onda de COVID-19, passe logo! Que a vacina chegue ao alcance de todos, e que logo possamos retomar nossas rotinas, preferencialmente com muita saúde, boas histórias e a sensação de que nos tornamos melhores. Espero que as dicas te ajudem a enfrentar a ansiedade!

Um grande abraço

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

3 Razões para você buscar uma psicoterapia

Nesse mês de janeiro foi reeditada a Campanha Janeiro Branco, para estimular o cuidado com a Saúde Mental.

Escrevo o artigo como contribuição para que cada vez mais a prevenção seja a melhor maneira de cuidar da Saúde Mental.

A vida tem exigido a superação de desafios diários de todos nós!

E ultimamente esses desafios tem exigido o consumo de muita energia, que em algumas vezes nem sabemos de onde tirar.

E olha que algumas dessas coisas tem sido aparentemente mais fáceis, e mesmo assim temos a sensação que “o negócio tá difícil”!!

Tenho visto que muita gente tem culpado a pandemia da COVID-19 para os problemas na saúde mental.

Afinal ela impôs isolamento social, home office, ensino à distância, quarentena e muitas outras mudanças que ainda estamos nos adaptando.

Percebo que para algumas pessoas essas dificuldades e desafios tem sido mais desgastante do que para outras.

Entre as pessoas que melhor se adaptaram estão aquelas que já tinham uma vida mais estruturada, melhor domínio das tecnologias e uma certa autonomia em sua forma de viver.

Para aquelas que estão com dificuldades de adaptação, o desgaste físico e emocional está elevado, e quando há algum problema ou situação fora da rotina as pessoas estão sem paciência e irritadas.

Isso me leva a crer que precisamos redobrar nossos cuidados para que essa dificuldade não atrapalhe nossa vida cotidiana.

Para muitos redobrar o cuidado pode resolver o problema, pode trazer certo bem estar e tranquilidade, porém com vigilância e atenção constante.

Para outros, a ajuda externa torna-se necessária e urgente, sob pena do indivíduo não dar conta e desenvolver psicopatologias incapacitantes e sofrimento psíquico.

Para essa pessoas penso que a psicoterapia pode ser uma maneira de restaurar o equilíbrio, aliviar o sofrimento e também retornar ao convívio saudável, a harmonia consigo mesmo, com seus familiares, amigos e colegas de trabalho.

No dia a dia, muitas vezes estamos tão envolvidos com nossas atividades que não conseguimos nos observar, nos perceber, entender que estamos precisando de ajuda.

Como psicólogo clínico costumo alertar sobre alguns sinais que começam a surgir e que precisamos avaliar com muita atenção para que, em caso de necessidade, solicitemos ajuda especializada.

A necessidade de psicoterapia pode surgir quando o indivíduo não consegue dar conta de alguns aspectos da sua vida, começa a ter sofrimento psíquico e tem sua rotina afetada severamente. Pode surgir esse tipo de dificuldade em razão de:

– Dificuldades no relacionamento com amigos e familiares

– Sensação de esgotamento físico e mental prolongado

– Dificuldades de cumprir tarefas de sua rotina por determinado período de tempo

Espero que nossa rotina volte gradualmente à normalidade, que logo voltemos a conviver com as pessoas queridas de nossas vida e que o trabalho volte a ter a importância e significado que sempre teve em nossas vidas de forma equilibrada e prazerosa.

Desejo saúde!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo

Flexibilização Leis Trabalhistas para enfrentamento da pandemia covid-19

Desde março de 2020 estamos vivendo uma das maiores crises do mundo moderno.

Um vírus praticamente parou o mundo e estamos tendo que nos adaptar à mudanças para sobreviver.

Isolamento social, home office, quarentena, hospitais lotados, número recorde de contaminados e mortos pela covid-19.

Toda essa mudança causada pela pandemia fez com que o governo decretasse estado de emergência no pais e começasse a enfrentar essa séria crise com medidas de flexibilização das relações trabalhistas no pais.

Essas medidas provisórias, em especial a MP 927 editada em 22 de março de 2020, fizeram com que vários artigos da CLT fossem flexibilizados, com direitos anteriormente inabaláveis, agora com seus efeitos atenuados, em prol de uma saúde financeira das empresas, e uma certa manutenção dos empregos e renda.

Entre as principais alterações que a MP traz trago ao texto algumas delas:

– Aumento da jornada de trabalho para os profissionais da saúde, com posterior, compensação, em até 18 meses ou pagamento como horas extras;

– Não inclusão da contaminação por coronavírus como uma doença ocupacional;

– Adoção do Teletrabalho (Home office), a critério da empresa, sem necessidade de negociação, não considerando o uso de aplicativos da empresa como tem à disposição;

– Redução temporárias de jornada de trabalho e salários, inicialmente por dois meses, sem necessidade de prévia negociação;

– Suspensão temporária dos contratos de trabalho, inicialmente por dois meses e critérios definidos para complementação pelo governo, de parte dos salários;

– Suspensão das atividades da empresa, com consideração de que esse tempo não trabalhado pode ser incluído em banco de horas, com posterior compensação;

– Antecipação folgas, feriados e de férias coletivas e individuais, mesmo com períodos aquisitivos incompletos;

– Possibilidade de adiamento até o pagamento do 13º salário, do pagamento do 1/3 constitucional das férias, bem como não aceitar conversão de dez dias de férias em abono pecuniário;

– Adiamento de contribuições relacionadas ao FGTS correspondente aos meses de março, abril e maio

– Suspensão do prazo para pagamento das rescisões de trabalho

– Suspensão por seis meses das infrações trabalhistas e notificações de débito do FGTS

Todas essas medidas ainda dependem da aprovação do Congresso Nacional para ser transformada em lei e dessa forma dar uma garantia jurídica aos empregadores que adotem essas medidas emergenciais. Em complemento o governo editou também a Medida Provisória 936, que trata de assuntos ligados ao trabalho durante o período que durar o estado de emergência. Também instituiu o auxílio emergencial, além de outras providências.

Mesmo com todas essas providencias, estamos vendo que a crise tem provocado aumento considerável nas demissões de empregados como consequência da paralisação na economia, por conta da quarentena.

Vamos aguardar os próximos passos e as consequências dessa pandemia ao mercado de trabalho, em especial emprego e renda!

Minhas informações não substituem a necessidade de ler atentamente as íntegras das Medidas Provisórias 927 e 936, bem como as atualizações sobre o tema e a possível conversão das MPs em lei pelo Congresso Nacional e sansão presidencial.

Deixe seus comentários, compartilhe as informações, ajude as pessoas nesse momento nunca antes vivido na história do mundo moderno!

Arnaldo Pereira dos Santos

Como a Inteligência Emocional pode te ajudar a enfrentar a quarentena!

Como você está se saindo nesses tempos de quarentena provocada pela pandemia da covid-19?

Você está trabalhando home office e está com medo do que pode acontecer no futuro?

Perdeu o emprego e está com medo de passar por necessidades ainda maiores?

Infelizmente você não é o único!

Os últimos dias são de incertezas, insegurança, medo e apreensão!

Todos esses sentimentos e emoções estão colocando nossos nervos à flor da pele. Tem gerado tristeza, pessimismo, irritação e até em alguns casos agressividade.

Trabalhar em casa que foi sempre o sonho de uma grande parte dos empregados, já pode estar ficando desgastante, causando conflito e momentos até mesmo de tensão com nossos parentes.

Eu acredito que esse momento atual requer mais do que nossa inteligência e habilidades técnicas! Precisamos de algo mais para superar as dificuldades. Sem dizer que nunca passamos por algo parecido!!! É uma situação inédita no mundo! A impressão que se tem é que o mundo parou, que todos dias são iguais! E uma sensação estranha de que está demorando para passar tudo isso!

Penso que precisamos nos adaptar a essa realidade, entender o que está acontecendo!

Esse entendimento poderá provocar em nosso cérebro a diminuição do medo, Nossos processos mentais poderão atuar aumentando nossa sensação de segurança, podendo aumentar nossa aceitação às mudanças. Porisso torna-se tão importante entender o ambiente e como manter o equilíbrio emocional.

Entendendo melhor o ambiente externo e buscando aumentar o autoconhecimento teremos mais chances de controlar nossas emoções.

Quando saímos de nossa zona de conforto e viemos trabalhar em home office, começamos e desenvolver nossas rotinas e tarefas em casa, um ambiente familiar e conhecido de nós, mas que não era utilizado para essa finalidade!

Essa novidade precisou ser elaborada do dia para noite. Faltava tudo, micro, internet, suprimentos de informática, cadeira adequada e até um cantinho próprio para o trabalho, que incomodasse o mínimo possível nossa rotina da casa. Meus familiares, que ocupam todos espaços e todos horários, agora também tiveram que se adaptar. Tivemos apoio, tudo foi novidade. Ficaremos juntos em casa! Vai dar certo!!!

Agora, alguns meses se passaram, e a novidade acabou, os motivo para irritação começam a surgir. O incomodo é visível. Não vem mais o cafézinho quentinho na mesa preparado pela esposa, o almoço fica no microondas para esquentar, e já fomos avisados que não é para falar muito alto nas ligações para os clientes, pois estamos incomodando o simples momento de  “assistir TV”!

Nos falaram que ia ser difícil, mas ficou “muito difícil“! Manter o equilíbrio das emoções já “está por um fio” ! Precisamos de ajuda, e bem rápido, para não começarem os atritos, discussões e desentendimentos!

Eu pesquisei ao longo do tempo o trabalho do psicólogo Daniel Goleman sobre inteligência emocional, e gostei muito!!! Resolvei escrever nesse momento onde vejo que o pedido de ajuda está vindo de todos os lados!

Meus leitores, conhecer as técnicas e estratégias que Daniel Goleman pesquisou sobre as emoções é um grande diferencial!

Cada vez mais as chamadas “soft skils” serão exigidas de nós! Elas farão a diferença num mundo em transformação, cada vez mais incerto e inseguro! Precisaremos reaprender a maneira de trabalhar, de se relacionar, de lidar com nossas emoções! Tristezas, alegrias, luto, perdas, euforia, depressão, emoções e sentimentos que fazem parte do nosso dia a dia, precisarão ser controlados, utilizados a nosso favor.

A definição apresentada por  Goleman sobre a inteligência emocional  diz que trata-se de uma capacidade de compreender nossas emoções e de também perceber as emoções do outro, tornando-as positivas e produtivas ao indivíduo! Goleman definiu alguns pilares para a inteligência emocional:

Autoconhecimento: Conhecer a si mesmo, compreender seu jeito de ser, sua personalidade _

Automomotivação: Criar motivação interior, motivar-se independente do ambiente externo; –

Autocontrole: Controlar ses sentimentos e emoções, evitando críticas e julgamentos –

Autorregulação: Capacidade de adiar gratificações, prêmios, situações de recompensas imediatas!

Empatia: Colocar-se no local do outro, sentir a emoção do outro, compreender o que o outro sente

Relacionamentos InterpessoaisSocialização – Capacidade de se relacionar bem, de se adaptar ao estilo do outro, desenvolver a confiança e a cooperação.

Com essas características em desenvolvimento, poderemos resolver conflitos de uma maneira produtiva, controlar melhor nossas emoções, ter pensamentos positivos.

No trabalho em casa, essa novidade provocada pela pandemia, podemos suportar a pressão por resultados, sair da zona de conforto, buscar novos aprendizados, transformar experiências em vantagem competitiva.

Acredito que seja um aprendizado diário, persistente. Com energia, disposição e uma nova postura, poderemos incorporar essa nova forma de trabalho, Acredito que ela veio para ficar e quem se adaptar melhor sairá na frente, nesse novo mercado de trabalho.

O que achou dessas questões ligadas a inteligência emocional e trabalho home office?

Deixe seus comentários, acompanhe meu trabalho pelas redes sociais, compartilhe informações e as transforme em conhecimentos.

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

 

 

A pandemia do covid-19 e a Síndrome de Burnout

O trabalho pode te adoecer

A decisão de decretar estado de emergência e de colocar o país em quarentena trouxe algo nunca visto nas últimas décadas.

De repente, as empresas avisaram que os profissionais realizariam seus trabalhos sem casa na modalidade “Home Office”. De uma hora para outra suas funções anteriormente exercidas nos escritórios, consultórios e lojas seriam transferidos para suas residências.

A antiga jornada, que iniciava seguindo um ritual de arrumar-se, tomar um rápido café, utilizar transporte público ou carro particular para chegar ao seu trabalho, agora mudou, transformou-se. O trabalho agora, em muitos casos, já começará logo após o despertar do relógio. É só ligar o aparelho celular, e tudo começa!!!!!

Quer dizer, antes tínhamos algo cristalino, certo, repetitivo, que era a nossa rotina!!!! E para muitos essa rotina, que vinha no “modo automático”, estava dando resultados, estava dando certo!!!!!!

Esse cotidiano colocava um claro limite entre o que era estar em casa e o que era ir para o trabalho, desempenhar seu papel profissional.

Nosso cérebro criou esse mapa mental, desenvolveu formas de confortar um possível desgaste, um possível estresse provocado pelo trabalho, pelo excesso de trabalho.

Não era raro “conversarmos com nossos botões” como diziam os antigos, como esse que vos escreve…..he he he!!!!!

-” Estou cansado, num vejo a hora de chegar em casa e tomar um banho”.

Ou também muito comum nosso cérebro alertar:

– “ Não leve problemas do trabalho para casa!! Num te faz bem!!”

A resposta que nosso íntimo, nossa consciência dava era muito clara:

– “Deixa comigo, eu sei separar as coisas! O que é do trabalho fica no trabalho, o que é de casa fica em casa!!!!”

Esse diálogo interno permeava nossa saúde mental, ajudava a criar limites entre o trabalho saudável e o trabalho excessivo que leva a sobrecarga, e te leva a infindáveis horas dedicadas ao trabalho! Não raro te deixando muito cansado, exausto!

Não era raro escutar que alguém do trabalho que levaria tarefas para casa, um relatório por exemplo. Chamávamos essas pessoas de “workhaholic”, dizíamos que elas eram “doidas”.

– O que você vai ganhar com isso!!!!???? Perguntávamos.

Eram tantos argumentos que a pessoa nos apresentava, que acabávamos achando que ela estaria com razão!!!

Pois agora, com a pandemia do covid-19, que deixou tudo de cabeça para baixo! O trabalho invadiu nossos lares!

Arsenais tecnológicos foram trazidos para o aconchego do lar, para darmos conta da rotina antes realizada nas nossas empresas.

O empregador, de uma hora para outra, alugou computadores e impressoras. Comprou cadeira especial, extensão para os equipamentos elétricos, sistemas de comunicação à distância. Passou em grandes papelarias e comprou material de escritório. Enviou o suporte técnico da T I para que tudo ficasse “as mil maravilhas”,  e enfim não deixássemos nada parar.

Nossos filhos, esposa, pais, irmãos ficaram de queixo caído!

Disseram:

– Nossa que legal a sua empresa hein!!!!

Bom meus leitores, ai eu te pergunto:

– Mas e nossa sala, nosso cantinho para conversa???

Talvez suas respostas sejam

– Agora virou home office!!!!

Em casa, minha irmã foi para o quarto dela, assistir novela, enquanto eu trabalho nas minhas atividades! Ahhhh, ela num ficou nada contente!!!

Mas e a rotina da casa?

Como fica?

Você pode estar com esse problema, as crianças estão sem aulas!

Te pergunto:

– Como vamos conseguir conciliar o trabalho com as atividades das crianças? E os afazeres domésticos, que horas serão realizados????

Pois é?

Problemas novos ocasionados pela pandemia!

Nunca pensaríamos que de uma hora para outra nossa rotina seria tão brutalmente mudada, retirada de nós!

Eu Já estou de cabelo em pé só de escrever!!!! He he he….. só para descontrair!!!!

O que fazer, num é?

E eu que pensava que ir para o trabalho era ruim, ficar ouvindo reclamação de meus colegas! Atritos entre chefe e colegas de trabalho!!!!!

Cadê tudo isso? Eu quero de volta!!!!!

Acredito que essa ruptura, mudança abrupta da rotina, somada com a pressão por resultados, o acúmulo de tarefas em razão da diminuição no quadro de funcionários, o medo de perder o emprego pela queda nas vendas, criam em nossas mentes pontos que podem levar a transtornos psiquiátricos, principalmente depressão, fobias e Burnout.

Focarei na Sindrome de Burnout em razão dessa psicopatologia ter sua origem no trabalho, como definiu bem o psiquiatra alemão Herbert J. Freudenberger, na década de 70.

Freudenberger definiu a Síndrome de Burnout como ….”um estado de esgotamento físico e mental cuja causa está intimamente ligada à vida profissional.”

Essa Síndrome tem como sintomas a exaustão extrema, estresse e esgotamento físico ocasionado por situações de trabalhos desgastante, e até mesmo excesso de trabalho.

De acordo com os estudos feitos pelo pesquisador, essa síndrome surge com mais frequência em profissionais da saúde, professores, policiais, bombeiros.

Eu não tenho como afirmar, mas essa mudança no trabalho provocada pela quarentena, pela covid-19 poderá estar desencadeando um número expressivo de casos com sintomas parecidos com o Burnout. Acredito que logo serão publicados  estudos que poderão esclarecer essa questão!

Portanto, cabe esse alerta!

Precisamos desenvolver estratégias para que durante a quarentena do covid-19, não percamos nosso equilíbrio emocional, nossa saúde!

Não existe receita, vez que cada um teve situações diferentes ligadas ao trabalho. Mas em breve farei algumas sugestões, baseada nas orientações de especialistas, e também na minha experiência, convivendo com a nova rotina a qual estou também submetido, no home office, trabalhando em casa!

Acompanhe nosso trabalho nas redes sociais onde continuaremos a debater esse assunto, que afeta diretamente nossas vidas e pode trazer um desequilíbrio, tendo como consequências inúmeros prejuízos aos trabalhadores submetidos a essas condições atuais de trabalho.

Gostou do tema?

Quer deixar um depoimento ou sugestão?

Escreva em um dos canais que já conhece e que utiliza para falar comigo! Responderei o mais rápido possível!

Fico por aqui e te deixo um forte abraço!

Professor Arnaldo Santos

Psicólogo e Coach

SAÚDE MENTAL E A BUSCA DO TRABALHO PELA JUVENTUDE

O trabalho tem papel importante na vida do indivíduo. É por meio dele que as pessoas conquistam seu espaço, seu status social.

Trabalhar significa dar utilidade e valor ao subjetivo do indivíduo.

Desde cedo é incutido na educação da criança a necessidade de escolher uma profissão, uma carreira. Era muito comum os pais e pessoas do convívio da família chegar na criança e perguntar: O que você quer ser quando crescer?

Para muitas famílias a necessidade de se obter o sustento faz com que as crianças interrompam o período da infância, deixem de brincar e de estudar para trabalhar e ajudar no orçamento familiar!

Eu mesmo comecei a trabalhar com 14 anos em um emprego que meu pai me arrumou. Aprendi a ter responsabilidade, comecei numa profissão e dividi meu tempo com a escola, o trabalho e o convívio familiar. Sou muito grato a meu pai por ter me ajudado nessa fase tão importante da vida. Conheci outras pessoas que me incentivavam a aprender cada vez mais a profissão.

Porisso, quando vejo a dificuldade atual que o jovem tem em iniciar sua vida profissional, busco maneiras de ajudar e apoiar.

Quando se chega na fase adulta, o trabalho já está incorporado na vida do jovem, seja como estagiário, jovem aprendiz ou empregado registrado.

Toda essa responsabilidade, que começa cedo para muitos jovens, faz com que exista a necessidade da divisão do foco, do tempo entre estudo e trabalho.

Para outros, apesar da necessidade, a rotina escola/trabalho demora a iniciar, principalmente em razão da falta de oportunidades gerada pelas crises econômicas, e, também pela baixa qualificação.

Toda essa necessidade de ser inserido no mercado de trabalho traz no jovem algumas consequências para o seu psicológico.

A pressão por resultados, a necessidade de ajudar financeiramente os pais, a dupla jornada, a pouca experiência. Esses fatores trazem efeitos colaterais como estresse, angústia, transtorno bipolar. Por vezes trazem também o começo do uso de substâncias lícitas e ilícitas para suportar essa carga emocional, utilizado como uma fuga, como um pedido silencioso de ajuda, de socorro não escutado, não atendido!!!

Cabe às partes envolvidas ajudarem esses jovens. O papel da família, escola, empresa precisa ser de apoio e compreensão, de escuta das necessidades e angústias pelas quais está passando!!!

A família precisa dar o apoio emocional e fraterno durante conversas, desabafos e crises! A escola precisa acompanhar por intermédio do professor, do supervisor de estágio e de setores de apoio psicológico, o processo de ensino aprendizagem. A empresa precisa dar suporte por meio do RH, do gestor e de Coach/Mentor no direcionamento da carreira e ajustes comportamentais ou emocionais.

Com essa “rede” o jovem poderá desempenhar melhor suas tarefas, aprender os processos envolvidos em sua profissão e desenvolver relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente de trabalho. Cabe lembrar que essa proteção ou apoio dará a sustentação e confiança necessárias para o crescimento pessoal, profissional e consequente amadurecimento do jovem profissional.

Tenho visto ao longo de minha carreira talentos desperdiçados por não terem esse apoio, tão necessário nesse momento profissional. Percebi que começaram a se desiludir com a profissão, com a falta de reconhecimento e valorização, bem como da orientação para superar dificuldades e obstáculos próprios da carreira que escolheram. Muitos outros começaram a desenvolver estresse, problemas de relacionamento, envolver-se em conflitos, acabaram desistindo da profissão.

Todos sabemos que a empresa, quando avalia um profissional que não entrega resultados, que começa a ter problemas disciplinares, apresentar desmotivação, acaba por rescindir o contrato.

De volta para o mercado de trabalho, o jovem sem trabalho ou estágio, com contas para pagar, pressionado pelos familiares para encontrar um novo emprego, fica perdido, desanimado, desmotivado. Esse ciclo de baixa, acaba o impedindo de bons resultados em processos seletivos, pois seu desempenho fica comprometido pela baixa autoestima e insegurança, entre outros fatores.

Portanto nesse mês de Campanha de Prevenção da Saúde Mental, torna-se extremamente importante a conscientização geral sobre a necessidade de nossos jovens cuidar da parte emocional, comportamental e psíquica. Conscientizar a necessidade da sociedade também apoiar nossos jovens! Alertar sobre o estresse, depressão, ansiedade generalizada, Síndrome de Bournout. Essa conscientização ajudará a todos entender sobre a importância da Saúde Mental!

Certamente teremos um ganho! Penso que a juventude é a certeza da renovação nas empresas, da continuidade da sociedade, de uma nova energia e entusiasmo nos ambientes sociais e profissionais. Todos ganham – jovens, família, escolas, empresas.

No mais fico por aqui, convidando vocês a visitar nossas redes sociais, compartilhar nossos conteúdos e informações, acompanhar meus conteúdos sobre temas ligados a psicologia, coach, empreendedorismo.

 

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach