CONFLITOS PROFISSIONAIS – Como lidar com essa realidade

Como uma parte de vocês sabem já possuo mais de 35 anos de convívio no meio organizacional.

Na década de 1980 quando comecei a trabalhar não existia nem o fax, nem o celular, nem o microcomputador. Uma linha telefônica era privilégio para poucos, assim como os cursos universitários eram bem restritos, não existiam tantas universidades e o valor das mensalidades eram altos. Só consegui fazer faculdade em razão de uma bolsa de estudos que ganhei da empresa em que trabalhei mais de 7 anos.

Naquela época, quando comecei a trabalhar e ingressei no meu primeiro emprego como office boy, já percebia como era difícil se relacionar com meus superiores.

Lembro que numa das empresas que trabalhei, a secretária que era a pessoa que respondia pelo meu trabalho, pediu num final de tarde que eu fizesse hora extra para ajudar na finalização de um processo. Eu deveria acompanhar as cópias do um processo, com cerca de 300 páginas.

Expliquei a ela que não podia ficar, pois naquele dia eu tinha prova no colégio. Eu era estudante do 2º ano colegial (atual 2º ano do ensino médio). Ela insistiu e continuei argumentando, falei que não podia. Ela fez algumas ligações, conseguiu um office boy de outro departamento para fazer esse serviço.

Sei que ao término do meu contrato de experiência não fui efetivado, fui demitido sem maiores explicações. Vou falar para vocês que eu saí de cabeça erguida, e no meu pensamento a demissão foi consequência desse conflito, pela recusa em fazer hora extra nesse dia. Pois é, a vida seguiu, o tempo passou e não consigo ter a certeza do que de fato aconteceu que me levou à demissão, mais de 35 anos depois desse fato.

Seguramente esse não foi o único conflito ao longo da minha carreira profissional, mas marcou muito e me fez amadurecer e me tornar mais flexível, atencioso e observador do ambiente profissional.

Assim como eu tive essa dificuldade com meu chefe, penso que milhares de pessoas passam por conflitos durante seu expediente, e que de uma certa forma não são bem resolvidos, ficando mágoas, decepções, rancores que não são bons para o ambiente organizacional.

A palavra conflito é derivada do latim Conflictus, é derivada da idéia de discussão – juntamente com a ameaça de luta, combate. Pressupõe que necessita estabelecer um lado, um lado como correto. O conflito surge a partir da percepção, do reconhecimento da existência do conflito entre as partes.  Ou seja o lado A se opõe ao lado b, como sendo certo, correto, absoluto. Quer defender sua opinião contra os ataques da parte b. Vários estudiosos da cultura e ambiente organizacional adaptaram esses conceitos para o dia a dia da empresa. O Blog.softwareavaliação.com.br tem um artigo excelente detalhando o tema Gestão de Conflitos caso você queira mais detalhes.

Mas afinal o que ocorre de tão diferente que causa tantos conflitos entre subordinados e seus chefes? Quais são os motivos desses conflitos? O que acontece que o conflito não fica na esfera organizacional/profissional e que muda para a parte pessoal. Gera sentimentos de revanchismo, revide, outros.

Antes de mais nada, penso que somos seres humanos, sujeitos a falhas e defeitos. Cada indivíduo tem sua visão de mundo, suas perspectivas, objetivos e ambições. Muitas dessas questões divergem no ambiente de trabalho, de acordo com o papel que os indivíduos desempenham nas empresas.

Alguns interesses são contraditórios, antagônicos e diferentes de indivíduo para indivíduo, e isso faz com que cada um defenda seu interesse.

Nesse momento é que surge a condição ideal para o conflito. Porém cabe às partes ter maturidade o suficiente para superar esse conflito profissional e tocar a vida, dar andamento a suas tarefas, objetivos e metas. O problema que nem todo mundo tem maturidade suficiente para superar esse obstáculo.  Além disso é necessário também o equilíbrio emocional, que nem todos conseguem manter.

E surgem discussões, bate-boca, conflitos acalorados.

Uma pena, pois depois de tudo isso, o problema que surge pode ficar fora de controle, e surgir uma advertência, uma demissão, que em alguns caso podem se tornar demissão por justa causa, com boletim de ocorrência e até mesmo processos judiciais.

Alguns conflitos beiram ao assédio moral e acabam nos tribunais, por total falta de habilidade emocional das partes envolvidas,

Com o passar do tempo aprendi a lidar com esses conflitos, vi que eram inevitáveis. Para isso eu precisei amadurecer, ajustar minhas expectativas e objetivos.

Um detalhe que passei a observar era o ambiente de trabalho. Que tipo de personalidades estavam em meu departamento, quais as ambições que as pessoas tinham na empresa, e também como os grupos eram formados.

Entendendo esse ambiente pude me adaptar, ajustar minha forma de trabalhar, quais assuntos os colegas conversavam, se aceitavam novas companhias.

Por incrível que pareça, a hora do almoço me trazia muitas informações. No começo ficava na defensiva, preferia conhecer o ambiente e não me envolver muito.

Conhecendo cada colega a situação começava a modificar, já recebia convites para almoço, já frequentava a sala do cafezinho. Debatia assuntos profissionais, falava sobre futebol, cinema, livros, locais para passeio. Criei vínculos.

Esse meu comportamento evitou muitos conflitos, pois muitas vezes via discussões entre colegas de trabalho, mas não me envolvia. Deixava meu chefe tomar pé da situação e resolver de acordo com seu estilo. Essa questão foi possível em razão de meu estilo de personalidade. Não gosto de me envolver em conflitos. Prefiro resolver com a pessoa individualmente.

Portanto precisamos reconhecer a existência dos conflitos nas empresas, precisamos nos preparar emocionalmente para o conflito seja com nosso chefe, seja com os colegas de trabalho. Quando vier a ocorrer, precisamos resolver, não colocar embaixo do tapete, pois ele cresce e pode sair do controle.

Fatores como experiência, maturidade, equilíbrio emocional e jogo de cintura de ajuda a avaliar a situação, procurar o diálogo, escutar o ponto de vista contrário e se for o caso deixar as emoções acalmarem para que o conflito seja discutido e encontrada uma solução.

Fico por aqui, é um assunto bem interessante que não se esgota nessa postagem.

Busque outras opiniões e conhecimento sobre gestão de conflitos.

Grande abraço e até a próxima.

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

SAÚDE MENTAL E A BUSCA DO TRABALHO PELA JUVENTUDE

O trabalho tem papel importante na vida do indivíduo. É por meio dele que as pessoas conquistam seu espaço, seu status social.

Trabalhar significa dar utilidade e valor ao subjetivo do indivíduo.

Desde cedo é incutido na educação da criança a necessidade de escolher uma profissão, uma carreira. Era muito comum os pais e pessoas do convívio da família chegar na criança e perguntar: O que você quer ser quando crescer?

Para muitas famílias a necessidade de se obter o sustento faz com que as crianças interrompam o período da infância, deixem de brincar e de estudar para trabalhar e ajudar no orçamento familiar!

Eu mesmo comecei a trabalhar com 14 anos em um emprego que meu pai me arrumou. Aprendi a ter responsabilidade, comecei numa profissão e dividi meu tempo com a escola, o trabalho e o convívio familiar. Sou muito grato a meu pai por ter me ajudado nessa fase tão importante da vida. Conheci outras pessoas que me incentivavam a aprender cada vez mais a profissão.

Porisso, quando vejo a dificuldade atual que o jovem tem em iniciar sua vida profissional, busco maneiras de ajudar e apoiar.

Quando se chega na fase adulta, o trabalho já está incorporado na vida do jovem, seja como estagiário, jovem aprendiz ou empregado registrado.

Toda essa responsabilidade, que começa cedo para muitos jovens, faz com que exista a necessidade da divisão do foco, do tempo entre estudo e trabalho.

Para outros, apesar da necessidade, a rotina escola/trabalho demora a iniciar, principalmente em razão da falta de oportunidades gerada pelas crises econômicas, e, também pela baixa qualificação.

Toda essa necessidade de ser inserido no mercado de trabalho traz no jovem algumas consequências para o seu psicológico.

A pressão por resultados, a necessidade de ajudar financeiramente os pais, a dupla jornada, a pouca experiência. Esses fatores trazem efeitos colaterais como estresse, angústia, transtorno bipolar. Por vezes trazem também o começo do uso de substâncias lícitas e ilícitas para suportar essa carga emocional, utilizado como uma fuga, como um pedido silencioso de ajuda, de socorro não escutado, não atendido!!!

Cabe às partes envolvidas ajudarem esses jovens. O papel da família, escola, empresa precisa ser de apoio e compreensão, de escuta das necessidades e angústias pelas quais está passando!!!

A família precisa dar o apoio emocional e fraterno durante conversas, desabafos e crises! A escola precisa acompanhar por intermédio do professor, do supervisor de estágio e de setores de apoio psicológico, o processo de ensino aprendizagem. A empresa precisa dar suporte por meio do RH, do gestor e de Coach/Mentor no direcionamento da carreira e ajustes comportamentais ou emocionais.

Com essa “rede” o jovem poderá desempenhar melhor suas tarefas, aprender os processos envolvidos em sua profissão e desenvolver relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente de trabalho. Cabe lembrar que essa proteção ou apoio dará a sustentação e confiança necessárias para o crescimento pessoal, profissional e consequente amadurecimento do jovem profissional.

Tenho visto ao longo de minha carreira talentos desperdiçados por não terem esse apoio, tão necessário nesse momento profissional. Percebi que começaram a se desiludir com a profissão, com a falta de reconhecimento e valorização, bem como da orientação para superar dificuldades e obstáculos próprios da carreira que escolheram. Muitos outros começaram a desenvolver estresse, problemas de relacionamento, envolver-se em conflitos, acabaram desistindo da profissão.

Todos sabemos que a empresa, quando avalia um profissional que não entrega resultados, que começa a ter problemas disciplinares, apresentar desmotivação, acaba por rescindir o contrato.

De volta para o mercado de trabalho, o jovem sem trabalho ou estágio, com contas para pagar, pressionado pelos familiares para encontrar um novo emprego, fica perdido, desanimado, desmotivado. Esse ciclo de baixa, acaba o impedindo de bons resultados em processos seletivos, pois seu desempenho fica comprometido pela baixa autoestima e insegurança, entre outros fatores.

Conscientizar a necessidade da sociedade também apoiar nossos jovens! Alertar sobre o estresse, depressão, ansiedade generalizada, Síndrome de Bournout. Essa conscientização ajudará a todos entender sobre a importância da Saúde Mental!

Certamente teremos um ganho! Penso que a juventude é a certeza da renovação nas empresas, da continuidade da sociedade, de uma nova energia e entusiasmo nos ambientes sociais e profissionais. Todos ganham – jovens, família, escolas, empresas.

No mais fico por aqui, convidando vocês a visitar nossas redes sociais, compartilhar nossos conteúdos e informações, acompanhar meus conteúdos sobre temas ligados a psicologia, coach, empreendedorismo.

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

DICAS PARA CONTROLAR A ANSIEDADE

Quem nesse pais não ficou ansioso durante a quarentena e isolamento social provocado pela pandemia da COVID-19?

Essa pergunta, pelo que já percebia, pelo que vivi e pelo contato que tinha remotamente com muitas pessoas, não foi difícil de responder!

Quase ninguém ficou sem sentir algum tipo de ansiedade nesse período!

Eu mesmo fui vítima da ansiedade durante esse período de pandemia! Várias coisas aconteceram nesse período da minha vida, em razão dessa pandemia, entre elas:

– Comecei a lecionar on line;

– Deixei de conviver com amigos, parentes, com a faculdade;

– Perdi meu emprego em razão da reestruturação da universidade que trabalhava;

– Minha irmã teve contato com uma colega de trabalho que teve COVID-19, e por esse motivo, ficou em isolamento durante 15 dias. Como moro com ela, também fiquei em isolamento. Graças a Deus, o resultado foi negativo para a COVID. Ufahh!

Em razão disso, foi inevitável me sentir bem ansioso Precisei de ajuda especializada para controlar minha ansiedade!

Com as orientações, leituras e conversas pude aprender algumas estratégias para diminuir a ansiedade.

Compartilho com você nesse post.

Importante alertar que caso seu nível de ansiedade esteja elevado, incomodando, impedindo que sua vida siga normalmente, procure ajuda especializada também! Converse com seu médico.

As dicas que te passo são as seguintes:

  1. REDUZA O ESTRESSE DIÁRIO

O estresse é benéfico, ele nos deixa em alerta e atentos, porém descontrolado ele torna-se prejudicial a saúde. Considero bem interessante você avaliar a prática da Meditação, de técnicas respiratórias, de técnicas de relaxamento. Com o tempo de prática você terá benefícios e os mais expressivos são a flexibilidade e fortalecimento muscular, além do aumento da vitalidade e disposição.

  • EVITE PENSAMENTOS NEGATIVOS

Realmente a pandemia trouxe uma enxurrada de notícias negativas. Seja pelos meios de comunicação, seja por amigos e parentes ou presenciando fatos negativos, nossa mente está cansada de ouvir coisas ruins. Comece a avaliar o quanto isso está te afetando, perceba a gravidade desses pensamentos, quanto tempo eles ficam na sua mente e se você, em razão disso, não consegue pensar em outra coisa. Separe o que é realidade e o que sua mente está criando de medos, fantasias e situações ilusórias. A partir daí tente mudar seu estado mental, transformar o pensamento negativo em pensamento positivo, no aprendizado com essa experiência, tente pensar que é uma alavanca para seu amadurecimento e desenvolvimento. Tenho certeza que você sairá melhor do que estava, bem mais experiente, mais equilibrado, valorizando muito mais a vida.

Obs: A PNL pode ajudar na mudança do estado mental, estimulando o pensamento de situações agradáveis, a percepção, em alguns casos até mesmo imaginando, visualizando lugares ou pessoas agradáveis.

Os pensamentos negativos geram sensações fisiológicas desprazerosas (mal – estar, descontrole respiratório, dores musculares.)

  • MANTENHA ATENÇÃO NO PRESENTE

Pense, o passado não muda, o futuro não existe ainda, portanto viva o presente. Isso não quer dizer que você vai deixar de planejar, vai deixar de lembrar dos momentos que já viveu na sua vida. Mas lembre-se, é importante o foco no “aqui e agora”, dar atenção ao momento presente. Pensar dessa forma traz como benefício o aumento da capacidade de análise da situação, além de afetar o julgamento e suas ações e decisões.

  • SEJA MAIS ORGANIZADO

Trabalhar, estudar e viver num ambiente minimamente organizado ajuda no controle da ansiedade. Com o tempo organizado você consegue utilizar melhor seu tempo, uma de suas maiores riquezas. Nesse momento que o trabalho está sendo “Home Office”, você fica mais tempo em casa, cumprindo as tarefas de seu trabalho. Com o ambiente organizado, as tarefas bem divididas e o tempo bem gerenciado, você poderá ter a ansiedade controlada a níveis aceitáveis.

  • DEDIQUE TEMPO PARA SE CUIDAR

Seja capaz de dedicar um pouco de tempo e energia para você mesmo. Autocuidado é a palavra. Sono equilibrado, boa alimentação, descanso, ambiente saudável, boas conversas, uma leitura ou um filme para distrair, esses cuidados possibilitam um ganho em qualidade de vida inimaginável.

  • CONFIE EM SI MESMO (AUTOCONFIANÇA)

Reconhecer suas virtudes e limitações traz um conhecimento sobre sua capacidade e competência. Entender seus pontos fortes e fracos aumenta a confiança em você mesmo. Esse diagnóstico sobre você ajuda a ajustar suas expectativas profissionais e pessoais. Como ganho traz o aumento da sua autoestima e você começará a perceber o quanto você é uma boa companhia, principalmente “para você mesmo”! Então te digo: – Seja uma boa companhia para você mesmo!

Espero que essa turbulência causada pela pandemia, agora já na sua segunda onda de COVID-19, passe logo! Que a vacina chegue ao alcance de todos, e que logo possamos retomar nossas rotinas, preferencialmente com muita saúde, boas histórias e a sensação de que nos tornamos melhores. Espero que as dicas te ajudem a enfrentar a ansiedade!

Um grande abraço

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

3 Razões para você buscar uma psicoterapia

Nesse mês de janeiro foi reeditada a Campanha Janeiro Branco, para estimular o cuidado com a Saúde Mental.

Escrevo o artigo como contribuição para que cada vez mais a prevenção seja a melhor maneira de cuidar da Saúde Mental.

A vida tem exigido a superação de desafios diários de todos nós!

E ultimamente esses desafios tem exigido o consumo de muita energia, que em algumas vezes nem sabemos de onde tirar.

E olha que algumas dessas coisas tem sido aparentemente mais fáceis, e mesmo assim temos a sensação que “o negócio tá difícil”!!

Tenho visto que muita gente tem culpado a pandemia da COVID-19 para os problemas na saúde mental.

Afinal ela impôs isolamento social, home office, ensino à distância, quarentena e muitas outras mudanças que ainda estamos nos adaptando.

Percebo que para algumas pessoas essas dificuldades e desafios tem sido mais desgastante do que para outras.

Entre as pessoas que melhor se adaptaram estão aquelas que já tinham uma vida mais estruturada, melhor domínio das tecnologias e uma certa autonomia em sua forma de viver.

Para aquelas que estão com dificuldades de adaptação, o desgaste físico e emocional está elevado, e quando há algum problema ou situação fora da rotina as pessoas estão sem paciência e irritadas.

Isso me leva a crer que precisamos redobrar nossos cuidados para que essa dificuldade não atrapalhe nossa vida cotidiana.

Para muitos redobrar o cuidado pode resolver o problema, pode trazer certo bem estar e tranquilidade, porém com vigilância e atenção constante.

Para outros, a ajuda externa torna-se necessária e urgente, sob pena do indivíduo não dar conta e desenvolver psicopatologias incapacitantes e sofrimento psíquico.

Para essa pessoas penso que a psicoterapia pode ser uma maneira de restaurar o equilíbrio, aliviar o sofrimento e também retornar ao convívio saudável, a harmonia consigo mesmo, com seus familiares, amigos e colegas de trabalho.

No dia a dia, muitas vezes estamos tão envolvidos com nossas atividades que não conseguimos nos observar, nos perceber, entender que estamos precisando de ajuda.

Como psicólogo clínico costumo alertar sobre alguns sinais que começam a surgir e que precisamos avaliar com muita atenção para que, em caso de necessidade, solicitemos ajuda especializada.

A necessidade de psicoterapia pode surgir quando o indivíduo não consegue dar conta de alguns aspectos da sua vida, começa a ter sofrimento psíquico e tem sua rotina afetada severamente. Pode surgir esse tipo de dificuldade em razão de:

– Dificuldades no relacionamento com amigos e familiares

– Sensação de esgotamento físico e mental prolongado

– Dificuldades de cumprir tarefas de sua rotina por determinado período de tempo

Espero que nossa rotina volte gradualmente à normalidade, que logo voltemos a conviver com as pessoas queridas de nossas vida e que o trabalho volte a ter a importância e significado que sempre teve em nossas vidas de forma equilibrada e prazerosa.

Desejo saúde!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo

SAIBA MAIS SOBRE A TOMADA DE DECISÃO

Você já percebeu quantas decisões nós tomamos por dia?

Você já parou para pensar quantas coisas estão envolvidas numa tomada de uma decisão?

Decidimos sobre qual roupa vestir, o que vamos comprar, que canal assistir, o que vamos comer, qual candidato passará no processo seletivo, só para falar algumas das decisões que tomamos rotineiramente!

Agora com a pandemia do COVID-19, várias decisões que tomávamos antes, tivemos que reformular, e até muitas vezes mudar decisões anteriormente tomadas!!!!

Isso aconteceu com você também?

Mesmo com a pandemia, somos muito cobrados sobre as decisões que tomamos, só que poucos sabem o que nos levou a decidir, como ocorreu processo de tomada das decisões!

Uma decisão, independente se envolve assuntos organizacionais ou pessoais, precisa ser muito bem analisada, bem avaliada.

Realizei uma pesquisa para elaborar esse post e em várias fontes pesquisadas foi abordado que durante uma tomada de decisões, vários processos mentais estão envolvidos, atuando de forma decisiva para que a melhor decisão possível seja tomada. Isso tudo em fração de segundos!!!!

Na pesquisa realizada busquei informações na Neurologia! A neurologia mostra que nosso cérebro, com seus sistemas complexos, comandam o processo decisório, trabalhando aspectos racionais, e, também emocionais.

O cérebro possui estruturas próprias que podem entrar em conflito na hora da decisão. Isso torna a decisão mais difícil, aumenta o gasto de energia para decidir!

Nosso cérebro durante a tomada de decisão envia diversos comandos que precisam ser entendidos e respeitados. O lado racional, trabalha com dados, informações, cenários. O lado emocional com o prazer! Por isso uma decisão tomada pode levar ao indivíduo satisfação, alegria e euforia. Ou provocar arrependimento, frustração ou decepções caso seja criticada, julgada, ter uma avaliação ruim.

Um exemplo do dia a dia:

– O jogador que bate o pênalti e marca um gol, fica eufórico com a decisão tomada e a consequência positiva dessa decisão. O goleiro, que ao imaginar como defender o pênalti, fica indeciso sobre que lado cair, fica frustrado por na última hora mudar o lado para tentar defender o pênalti. Fica se culpando – “Mas eu ia cair no lado direito! Porque eu mudei de lado??????? Ele não defendeu o pênalti por uma decisão errada que tomou! E precisa se responsabilizar por essa decisão! Só não deve se achar o pior dos goleiros por causa disso!!!! Percebe que ao se culpar ele também está utilizando a emoção!

Existem também as decisões por impulso! Nesse tipo de decisão nosso cérebro primitivo, também chamado de Cérebro Reptiliano, aciona comandos defesa, proteção! Numa noite o indivíduo percebe outro vindo em sua direção e esse com medo de ser assaltado, grita de medo! Essa decisão tomada instintivamente, em fração de segundos, foi para defender-se, acionada pelo Cérebro Reptiliano.

Já em condições normais para a tomada de decisão, o indivíduo utiliza o livre arbítrio para decidir! Muitas vezes essas decisões podem demorar, pois os comandos adequados não dão sinal verde para uma decisão ser tomada.

Podemos estar procrastinando, não utilizando o senso de urgência, ficamos na expectativa de informações de melhor qualidade, argumentos convincentes e busca por uma lógica confiável para decidir! Essa questão tem relação com a condição para decidir, que não é perfeita!

Vale lembrar que nosso sistema neurológico emprega expressiva quantidade de energia para que uma decisão seja tomada justamente buscando essa tal perfeição, que na prática não existe.

Essa questão da energia pode ser melhor entendida quando realizamos uma simples tarefa de ir ao mercado, com nossa lista de compras!

Quando determinado item da compra possui 4, 5 ou 6 concorrentes para o mesmo tipo de produto, de diferentes preços e tamanhos!!

Gastamos energia para reunir informações para decidir qual marca comprar. E você pode perceber, ao final dessa tarefa, sentimos sintomas de estresse, de um certo esgotamento mental. Esse processo ocorreu em razão da elevada energia gasta para decidir qual produto comprar.

Agora, se para um item de compra já temos esse desgaste, imagina para uma decisão onde o número de variáveis é maior, a complexidade de informações é mais profunda.

Quando vamos tomar decisões, precisamos ter alguns cuidados preliminares, para que a decisão tomada beneficie a você, sua família, sua empresa.

O contexto requer que você conheça a maior parte das consequências que essa decisão vai te trazer.

Voltando à escolha do produto. Se você escolheu comprar um item em um determinado mercado, e ao chegar em seu condomínio, conversando com seu amigo, você fica sabendo que esse mesmo item em outro mercado estava 20% mais barato, você pode, de uma hora para outra, achar que tomou uma péssima decisão de compra!

É um sentimento de culpa, uma decepção que toma conta. Por essa razão um planejamento do processo decisório é muito adequado, eu diria essencial.

Existem inúmeras ferramentas de apoio para um processo decisório. Uma que acho bacana e que você pode pesquisar é o Mapa Mental!

Nele você reúne as informações relevantes, traça cenários, prevê consequências.

Aprofunda criando um plano de contingência para eventuais emergências e também exercita probabilidades para as consequências de sua decisão. Esse cuidado pode aumentar a segurança em relação à decisão que será tomada.

Espero ter aumentado seu conhecimento sobre o assunto ajudado a você se interessar sobre o assunto e buscar outras fontes de pesquisa, para um tema de especial relevância nessa pandemia da COVID-19, que elevou muito o nível de incerteza sobre nossas vidas.

Essas incertezas estão impactando nossos empregos, nossas carreiras, nossa saúde, nosso convívio familiar. Decisões que antes eram tomadas com uma chance maior de êxito, atualmente necessitam de muita reflexão, temperança e resiliência!

Gostaria de trocar algumas ideias sobre o tema, relatar algum caso, sugerir outros assuntos? Deixe seus comentários!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

HOJE EU ESCREVO SOBRE DECISÕES

Você já percebeu quantas decisões você toma diariamente?

Você tem avaliado a qualidade das decisões que tem tomado ultimamente?

Você acredita que uma parte das suas decisões tiveram forte interferência de suas emoções?

Acredito que independente se você estiver trabalhando ou não, você toma decisões diariamente!

Algumas decisões que você toma terão impacto não somente em sua vida, mas na vida de familiares, amigos, colegas de trabalho!

Uma decisão traz consequências diretas para você e também indiretas para quem convive contigo.

Trocar de emprego, mudar de cidade, comprar um carro, adotar um animal, casar, ter filhos, o que vai fazer para o almoço!!!! Tudo isso envolve a tomada de decisão!

São decisões importantes, passos que tomamos em nossas vidas!

Mas a pergunta que muitas vezes não tem resposta é:

-“…será que estou tomando a decisão certa?”

Posso compartilhar contigo que devemos nos esforçar para “tomar a melhor decisão possível!!”

Muitas vezes não temos as condições ideias para tomar uma decisão!

Ora estamos pressionados pelo tempo, ora estamos pressionados pelos envolvidos na decisão que precisamos tomar, e também muitas vezes não temos as informações necessárias para que tomemos essa decisão!

Mas precisamos tomar!

Ficamos indecisos, inseguros, estressados, apavorados! Mas temos que decidir.

Percebo que fatores internos como a personalidade, o estado emocional e na minha opinião a autoestima , afeta a nossa tomada de decisão!

Hoje eu escolhi o tema decisão, principalmente em razão da situação que vivemos em função da Pandemia do COVID-19.

Somos bombardeados por informações de todos os lados!

Somos pressionados a ficar em casa, mas precisamos trabalhar, defender “o pão de cada dia!”

Aí fica a dúvida:

– O que fazer?

– Em quem acreditar?

– Quais serão as consequências da decisão que tomei?

– Estou ciente disso, ou fui manipulado?

– Porque decidi fazer isso?

Quantas questões envolvidas, num é mesmo?

Hoje, o grau de incerteza a que estamos submetidos é um absurdo!

E essas circunstâncias podem te levar a uma decisão equivocada!

Conheço pessoas que não conseguem tomar decisões!

Outras que, quando tomam decisões, tem um nível de arrependimento acima da média!

Não podemos esquecer que essa situação imobiliza o indivíduo e sua qualidade de vida fica comprometida! Nesse caso a pessoa precisa de ajuda profissional!

Tenho pensado muito nisso e resolvi falar um pouco sobre processo decisório para aumentar seu grau de consciência sobre as decisões que toma!

O tema Processo Decisório é tratado em tese de mestrado e doutorado, tem inúmeros modelos acadêmicos defendidos para a tomada de decisão.

Meu intuito não é abordar o tema decisão nessa profundidade, mas sim, te alertar sobre os cuidados na hora de tomar suas decisões!

Listo alguns cuidados que acredito ser necessário na tomada de decisão:

– Cuidar de juntar o maior número de informações essenciais, imprescindíveis para a tomada de decisão;

– Avaliar os prováveis cenários que se desenham, quais alternativas tem para tomar uma decisão;

– Prever as prováveis consequências que sua decisão trará;

– Estabelecer um Mapa Mental para o Processo Decisório;

– Escutar, na medida do possível, opiniões sobre a questão que precisa resolver, que precisa decidir. Ter um bom time de conselheiros ajuda muito;

– Quando for possível, tomar decisões compartilhadas, que fortaleçam a eficiência e eficácia da decisão tomada;

– Evite tomar decisões no calor das emoções. Elas podem ser precipitadas e causar prejuízos não previstos adequadamente por você!

Gostou do tema, tem dúvidas, gostaria de deixar sua opinião?

Conte comigo, se precisar conversar, mantenha contato!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

RELACIONAMENTOS E PANDEMIA

Relacionamento entre colegas de trabalho

O mundo em transformação traz algumas questões interessantes para debater e refletir.

Tenho conversado com muitas pessoas desde março sobre as mudanças que aconteceram de forma acelerada. Uma das questões que mais tem gerado controvérsias são os relacionamentos.

Uma realidade que existia até o surgimento da pandemia e da adoção em massa do Home Office era a questão da falta de tempo, a famosa frase que ouvíamos muito “eu não tenho tempo”! Levávamos uma vida agitada, de casa para o trabalho, do trabalho para a faculdade e da faculdade para casa!

Muitos saíam antes das 6h00 da manhã de suas casas e só voltavam entre meia noite e uma hora da manhã! Saíam com sua família dormindo, só conversavam por mensagens ou ligação telefônica, Quantos pais de família não se encontraram nessa situação e quase não viam seus filhos crescer, ou sua esposa amadurecer ao seu lado.

Já pensou que doidera!!!!????

Não tínhamos tempo para um jantar em família, para ler aquele livro sugerido, ver aquele filme campeão de bilheteria, tomar aquele café com um grande amigo.

Passávamos cerca de 1h30 no transito ou transporte público, para chegar no serviço e para voltar para casa!!!!!

Vivi muito disso como professor !!!!!!! Nessa realidade maluca via os estudantes, que tinham aquela atividade para entregar, aquele conteúdo para estudar, aquele projeto para apresentar mas quando cobrávamos em sala de aula, ouvíamos:

“- Professor, não consegui entregar hoje pois estava em fechamento do faturamento da empresa e não deu tempo!”

Ou passávamos por isso quando tínhamos cobranças de nosso chefe sobre aquela nova ideia ou novidade! Uma análise de concorrência, e na maioria das vezes respondíamos: – Chefe, não consegui tabular os dados, mas amanhã sem falta te entrego!!!!!!!! Argumento mais dito pelo atraso da tarefa – “Eu não tive tempo!”””

Antes da pandemia, o mundo acelerado, consumista e assoberbado, não deixava sobrar tempo para nada! Estávamos estressados, ansiosos e irritados!!!!!!!

Veio a pandemia e durante todo esse tempo o que mais ouço??????? ” – Tenho tempo mas não consigo ter vontade para nada!!!!!

Com a pandemia . as pessoas tem dito: ” – Olho para o trabalho e não consigo deslanchar!! Vejo o celular e vários amigos me mandando mensagem, e não consigo responder!!!! Fico cansado só de olhar, as 250 mensagens não lidas!”

Nos relatos, é comum escutar:

Na casa, o que tem acontecido? Tenho ficado irritado com qualquer contrariedade!!!!!! Nossa, a TV está alta demais! Esse Jornal só traz notícias tristes! Meus filhos não entendem que preciso trabalhar e ficam querendo brincar comigo! Minha esposa quer que eu vá na feira, no mercado, na quitanda!!!!!!! Digo que não vou pois estamos em quarentena, se eu sair vou me contaminar, cair no hospital lotado, uma vaga na UTI que não sai!!!!!!!!! Esse home office está me deixando a beira de um ataque de nervos!!!!!!

Continuam o relato, dizendo: …….isso sem falar a irritação com o contrato de trabalho reduzido, as contas para pagar, que não param de chegar!!!! Como vou me relacionar com alguém com toda essa irritação e com a autoestima rebaixada! Estou tendo que me reinventar profissionalmente e pessoalmente, me reequilibrar emocionalmente! Me reanimar para puxar uma conversa, fazer uma ligação, tentar ser agradável comigo mesmo e também com as pessoas ao meu redor! Tudo para tentar manter meus relacionamentos mais saudáveis!

Como psicólogo busco por várias fontes de informação para entender “esse novo normal” Alguns casos extremos chegam ao conhecimento, coma as brigas entre vizinhos, discussões e em alguns casos há notícias de violência entre familiarares, amigos e colegas de trabalho.

A tecnologia disponibilizou muitas ferramentas para relacionamento. Acho incrível que existam tantos problemas para as pessoas relacionarem-se de forma saudável, pensando coletivamente e não individualmente!

Acredito que esses serão uns dos maiores desafios da humanidade nessa nova realidade pós-pandemia, conviver harmonicamente em sociedade.

E você? O que tem feito para manter seus relacionamentos saudáveis durante essa pandemia?

Deixe seus comentários, sugestões!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

PROCESSOS SELETIVOS E O NOVO NORMAL

Temos observado que desde a decretação do estado de emergência em função da pandemia do COVID-19, o trabalho está em acelerada transformação.

Do dia para noite as empresas estruturaram o Home Office nas residências de seus colaboradores.

Empresas começaram a vender pelo E-COMMERCE, restaurantes fecharam as portas e começaram a vender comida pelos aplicativos e as escolas começaram a dar aula On Line! Até o dia em que o mundo parou!

Quarentena, distanciamento social, tensão, medo, pavor!!!!! Ufaahhh

Mas o mundo continuou, as empresas continuaram, ou pelo menos parte delas.

Pessoas se adaptaram ao novo modelo, pessoas pediram para sair, pessoas tiveram seus contratos de trabalho suspenso e muitas outras tiveram suas carga horária e salários reduzidos.

Nesse turbilhão de acontecimentos está o RH, que literalmente precisou se inventar.

Vagas surgiam,. postos de trabalhos ficaram sem seus colaboradores, e agora?????

O RH precisou contatar seus candidatos e fazer suas entrevistas ON LINE!!!! Mas Arnaldo, o RH até outro dia num era resistente a entrevistas ON LINE???

Pois é a pandemia, está ressignificando e flexibilizando procedimentos, processos, avaliações e também o processo seletivo precisou mudar!

Não foram somente as entrevistas que mudaram, agora também o selecionador está pedindo o vídeocurriculo como uma das etapas para o selecionador escolher os candidatos que entrevistará! Antes da Pandemia instituições como Itaú, Bradesco entre outras já adotavam essa prática!

Vale lembrar que o CRP autorizou e criou mecanismos para que tanto seleção, quanto aplicação de testes foram autorizadas suas aplicações, mediante procedimentos previamente autorizados!

E você? O que acha dessas novidades nos processos seletivos?

Eu acredito nessa evolução como inevitável, vez que o avanço tecnologico está transformando nossas relações e interações com o mundo!

Deixe sua opinião!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo