ENGAJAMENTO – FAÇA A DIFERENÇA NO DIA A DIA DO SEU TRABALHO

O profissional engajado com o que faz e aderindo à cultura da empresa faz toda a diferença

Tenho acompanhado as mudanças que tem ocorrido no mercado de trabalho em função da pandemia e das novas tecnologias disponíveis!

A mudança de paradigma está ocorrendo.

O mercado de trabalho está encolhendo assustadoramente. Profissões estão desaparecendo, o home office tomando conta, o coworking uma realidade.

O trabalho em espaços compartilhados está cada vez mais sendo praticado.

Os contratos de trabalhos flexibilizados, redução de carga horária com redução de salário, suspensão de contratos de trabalho, os trabalhos ocorrendo parte presencial, parte home office.

Vemos também o encerramento de atividades no Brasil de empresas como a Ford, que depois de décadas em nosso pais, deixou de produzir veículos em território nacional.

Com tantas notícias sendo divulgadas, como fica a cabeça do trabalhador brasileiro, que está empregado, produtivo e com uma carreira próspera?

Será que está sendo atingido? Será que diminuiu a produtividade e aumentou a preocupação com a manutenção de seu emprego?

Acredito que essa seja uma questão a ser investigada!

Que logo teremos resultados de pesquisas para servir de parâmetro e estudo das relações de trabalho do início dessa década, marcada pela devastadora pandemia que assola o mundo!

Mas o que podemos discutir, debater e compreender é a questão do engajamento.

O que eu posso fazer para aumentar meu engajamento com minhas atividades, meu propósito e meu objetivo?

Penso que as crises sempre existiram, mas essa é diferente. Está afetando desde multinacionais, CEOs, CFOs, Autônomos, empresários, profissionais liberais.

E esse afetar, nem sempre é só negativamente. Dou como exemplo a profissão de psicólogo!

Com a pandemia os profissionais de psicologia viram sua atividade aumentar significativamente, notoriamente no atendimento On Line.

A enfermagem está com praticamente no pleno emprego, com hospitais, clínicas, postos de saúde com seu quadro completo ou precisando de mais profissionais, assim como médicos, profissionais da radiologia, fisioterapia e saúde como um todo.

Mas o que pode diferenciar o profissional nesse momento de crise?

Penso que uma questão relevante é o engajamento.

Estar engajado, fazer mais do que aquilo que é solicitado. Entregar resultado de qualidade. Cumprir prazos. Encantar clientes. Diminuir custos, desperdício, retrabalho. Tudo está ligado ao engajamento.

Essa pequena palavra, que no dicionário quer dizer.o sentimento de pertencimento, o vínculo criado pelo colaborador com a tarefa ou a empresa em si.

Uma reciprocidade entre ambos. No mundo organizacional está relacionado ao que a gente chama de “sangue nos olhos”, “vestir a camisa”, “estar aqui para o que der e vier”, “vamos nessa que aqui é pau para toda obra”. São expressões que mostram de uma forma simples, o profissional que é engajado naquilo que faz e o sentimento de pertencimento.

E olha que nem precisa ser o profissional mais inteligente, mais capacitado, mais qualificado, para ser engajado.

Precisa ser aquele mais motivado, mais entusiasmado, mais cooperativo e colaborativo.

O engajamento está ligado a atitude, a ação, a positividade.

Está ligado a ter foco na solução e não no problema. Procurar resolver e não querer achar um culpado.

Mas como posso desenvolver esses comportamentos ligados a engajamento?

Algumas sugestões:

– Aumentar foco

– Ter um objetivo

– Estabelecer um planejamento

– Buscar pequenas conquistas, que na soma representará as grandes vitórias

– Construir relacionamentos positivos

– Desenvolver atitude empreendedora

– Explorar as características de liderança

É, ao que parece, ser engajado não é tão simples assim!!! Seguramente requer sair da zona de conforto!  

Requer esforço, determinação, estratégia.

E você está preparado para aumentar seu engajamento?

Gostou do tema? Quer fazer perguntas, comentários ou dar sugestões?

Deixe no post do blog, acompanhe meu trabalho nas redes sociais!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

CONFLITOS PROFISSIONAIS – Como lidar com essa realidade

Como uma parte de vocês sabem já possuo mais de 35 anos de convívio no meio organizacional.

Na década de 1980 quando comecei a trabalhar não existia nem o fax, nem o celular, nem o microcomputador. Uma linha telefônica era privilégio para poucos, assim como os cursos universitários eram bem restritos, não existiam tantas universidades e o valor das mensalidades eram altos. Só consegui fazer faculdade em razão de uma bolsa de estudos que ganhei da empresa em que trabalhei mais de 7 anos.

Naquela época, quando comecei a trabalhar e ingressei no meu primeiro emprego como office boy, já percebia como era difícil se relacionar com meus superiores.

Lembro que numa das empresas que trabalhei, a secretária que era a pessoa que respondia pelo meu trabalho, pediu num final de tarde que eu fizesse hora extra para ajudar na finalização de um processo. Eu deveria acompanhar as cópias do um processo, com cerca de 300 páginas.

Expliquei a ela que não podia ficar, pois naquele dia eu tinha prova no colégio. Eu era estudante do 2º ano colegial (atual 2º ano do ensino médio). Ela insistiu e continuei argumentando, falei que não podia. Ela fez algumas ligações, conseguiu um office boy de outro departamento para fazer esse serviço.

Sei que ao término do meu contrato de experiência não fui efetivado, fui demitido sem maiores explicações. Vou falar para vocês que eu saí de cabeça erguida, e no meu pensamento a demissão foi consequência desse conflito, pela recusa em fazer hora extra nesse dia. Pois é, a vida seguiu, o tempo passou e não consigo ter a certeza do que de fato aconteceu que me levou à demissão, mais de 35 anos depois desse fato.

Seguramente esse não foi o único conflito ao longo da minha carreira profissional, mas marcou muito e me fez amadurecer e me tornar mais flexível, atencioso e observador do ambiente profissional.

Assim como eu tive essa dificuldade com meu chefe, penso que milhares de pessoas passam por conflitos durante seu expediente, e que de uma certa forma não são bem resolvidos, ficando mágoas, decepções, rancores que não são bons para o ambiente organizacional.

A palavra conflito é derivada do latim Conflictus, é derivada da idéia de discussão – juntamente com a ameaça de luta, combate. Pressupõe que necessita estabelecer um lado, um lado como correto. O conflito surge a partir da percepção, do reconhecimento da existência do conflito entre as partes.  Ou seja o lado A se opõe ao lado b, como sendo certo, correto, absoluto. Quer defender sua opinião contra os ataques da parte b. Vários estudiosos da cultura e ambiente organizacional adaptaram esses conceitos para o dia a dia da empresa. O Blog.softwareavaliação.com.br tem um artigo excelente detalhando o tema Gestão de Conflitos caso você queira mais detalhes.

Mas afinal o que ocorre de tão diferente que causa tantos conflitos entre subordinados e seus chefes? Quais são os motivos desses conflitos? O que acontece que o conflito não fica na esfera organizacional/profissional e que muda para a parte pessoal. Gera sentimentos de revanchismo, revide, outros.

Antes de mais nada, penso que somos seres humanos, sujeitos a falhas e defeitos. Cada indivíduo tem sua visão de mundo, suas perspectivas, objetivos e ambições. Muitas dessas questões divergem no ambiente de trabalho, de acordo com o papel que os indivíduos desempenham nas empresas.

Alguns interesses são contraditórios, antagônicos e diferentes de indivíduo para indivíduo, e isso faz com que cada um defenda seu interesse.

Nesse momento é que surge a condição ideal para o conflito. Porém cabe às partes ter maturidade o suficiente para superar esse conflito profissional e tocar a vida, dar andamento a suas tarefas, objetivos e metas. O problema que nem todo mundo tem maturidade suficiente para superar esse obstáculo.  Além disso é necessário também o equilíbrio emocional, que nem todos conseguem manter.

E surgem discussões, bate-boca, conflitos acalorados.

Uma pena, pois depois de tudo isso, o problema que surge pode ficar fora de controle, e surgir uma advertência, uma demissão, que em alguns caso podem se tornar demissão por justa causa, com boletim de ocorrência e até mesmo processos judiciais.

Alguns conflitos beiram ao assédio moral e acabam nos tribunais, por total falta de habilidade emocional das partes envolvidas,

Com o passar do tempo aprendi a lidar com esses conflitos, vi que eram inevitáveis. Para isso eu precisei amadurecer, ajustar minhas expectativas e objetivos.

Um detalhe que passei a observar era o ambiente de trabalho. Que tipo de personalidades estavam em meu departamento, quais as ambições que as pessoas tinham na empresa, e também como os grupos eram formados.

Entendendo esse ambiente pude me adaptar, ajustar minha forma de trabalhar, quais assuntos os colegas conversavam, se aceitavam novas companhias.

Por incrível que pareça, a hora do almoço me trazia muitas informações. No começo ficava na defensiva, preferia conhecer o ambiente e não me envolver muito.

Conhecendo cada colega a situação começava a modificar, já recebia convites para almoço, já frequentava a sala do cafezinho. Debatia assuntos profissionais, falava sobre futebol, cinema, livros, locais para passeio. Criei vínculos.

Esse meu comportamento evitou muitos conflitos, pois muitas vezes via discussões entre colegas de trabalho, mas não me envolvia. Deixava meu chefe tomar pé da situação e resolver de acordo com seu estilo. Essa questão foi possível em razão de meu estilo de personalidade. Não gosto de me envolver em conflitos. Prefiro resolver com a pessoa individualmente.

Portanto precisamos reconhecer a existência dos conflitos nas empresas, precisamos nos preparar emocionalmente para o conflito seja com nosso chefe, seja com os colegas de trabalho. Quando vier a ocorrer, precisamos resolver, não colocar embaixo do tapete, pois ele cresce e pode sair do controle.

Fatores como experiência, maturidade, equilíbrio emocional e jogo de cintura de ajuda a avaliar a situação, procurar o diálogo, escutar o ponto de vista contrário e se for o caso deixar as emoções acalmarem para que o conflito seja discutido e encontrada uma solução.

Fico por aqui, é um assunto bem interessante que não se esgota nessa postagem.

Busque outras opiniões e conhecimento sobre gestão de conflitos.

Grande abraço e até a próxima.

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

RECURSOS HUMANOS NOS TEMPOS DE PANDEMIA

Começo o meu texto de hoje refletindo sobre o papel das áreas de departamento pessoal e de recursos humanos durante esse período de pandemia do COVID-19!

Como já foi falado, esse período é inédito na história recente da humanidade. Um problema de saúde pública que afetou o mundo inteiro e está revolucionando vários conceitos utilizados pela sociedade para tocar seu dia a dia, sua vida.

Penso que uma das áreas que está no “olho do furacão” é a área de recursos humanos.

Todas as empresas tiveram impactos, dos mais variados, para se manter, para sobreviver.

O governo atuou flexibilizando as regras trabalhistas, diminuindo a burocracia e buscando agilidade, para salvar empregos, renda e faturamento.

Só que para que tudo isso saísse do papel, os profissionais de recursos humanos tiveram que “se virar”, utilizar de criatividade, conhecimento técnico e proatividade para que as mudanças provocassem o mínimo de transtorno possível.

Vale lembrar que em 20 de março, com o decreto do estado de emergência e o início da quarentena e distanciamento social, somente o serviço essencial foi autorizado a funcionar.

Aliado a esse fato, a área da saúde teve uma mobilização histórica, com novas instalações, contratações de emergência, convocações para suprir o aumento de demanda de doentes.

O esforço da área para cumprir suas missões está sendo fantástico, pois se fizermos uma retrospectiva de acontecimentos pontuais, fora da rotina da área, os resultados foram mais do que satisfatórios:

– Colocar seus colaboradores em Home office

– Reduzir Carga Horária

– Suspender Contrato de Trabalho

– Colocar colaboradores em férias

– Demitir Colaboradores

– Adaptar os benefícios oferecidos pela empresa

– Treinar seu pessoal para as rotinas do trabalho remoto

– Elaborar programas de apoio psicológico

– Capacitar as gerencias para a supervisão à distância

– Implantar acompanhamento de frequência à distância

– Adaptar ou atualizar rotinas da folha de pagamento e encargos sociais às ferramentas disponíveis pela internet/nuvem

– Criar canais de comunicação eficiente para a realidade do trabalho remoto

– Adotar procedimentos eficientes para reposição de pessoal, utilizando ferramentas da internet e de videoconferência para recrutar e selecionar

– Implantar palestras corporativas, via ferramentas de videoconferência

– Reforçar a estrutura de proteção à saúde do colaborador, com EPI, aumento da segurança das instalações e orientação ao colaborador

– Dar apoio psicológico e motivacional para enfrentar o distanciamento de sua equipe de trabalho

Como você vê, para que tudo na sua empresa pudesse dar certo, o apoio e cooperação do RH tornou-se fundamental.

Uma área que ao longo do tempo vem conquistando uma posição estratégica, está ajudando na mudança de rumos da organização, que está se adaptando à crise que se instalou com a pandemia da COVID-19!

É inegável que durante esse período milhões de empregos foram perdidos, que milhares de empresas fecharam suas portas e encerraram operações. Infelizmente também perdemos milhares de vidas, entes queridos, que sentimos muito!

Mas independente de todas essas questões não podemos deixar de reconhecer o trabalho de milhares de profissionais da área de RH. Eles fizeram de tudo para que suas tarefas fossem realizadas, para que empregados e empresas pudessem ter seus direitos respeitados, suas novas rotinas seguissem o curso, e os compromissos fossem honrados.

Meus caros amigos, eu já trabalho na área de RH tem mais de 20 anos, e reconhecendo os esforços de meus colegas de área, não podia deixar de dar meus parabéns a todos esses profissionais de recursos humanos, que num incessante trabalho de formiguinha, realizaram com dignidade e maestria suas tarefas profissionais.

Encerrando deixo a você meu convite para acompanhar o trabalho que desenvolvo nas redes sociais, meus programas de treinamento e cursos à distância, principalmente voltados a departamento pessoal, folha de pagamento e também vídeoaulas postadas em meu Canal do YouTube.

Um forte abraço! Até o próximo post!

Arnaldo Pereira dos Santos

HOJE EU ESCREVO SOBRE DECISÕES

Você já percebeu quantas decisões você toma diariamente?

Você tem avaliado a qualidade das decisões que tem tomado ultimamente?

Você acredita que uma parte das suas decisões tiveram forte interferência de suas emoções?

Acredito que independente se você estiver trabalhando ou não, você toma decisões diariamente!

Algumas decisões que você toma terão impacto não somente em sua vida, mas na vida de familiares, amigos, colegas de trabalho!

Uma decisão traz consequências diretas para você e também indiretas para quem convive contigo.

Trocar de emprego, mudar de cidade, comprar um carro, adotar um animal, casar, ter filhos, o que vai fazer para o almoço!!!! Tudo isso envolve a tomada de decisão!

São decisões importantes, passos que tomamos em nossas vidas!

Mas a pergunta que muitas vezes não tem resposta é:

-“…será que estou tomando a decisão certa?”

Posso compartilhar contigo que devemos nos esforçar para “tomar a melhor decisão possível!!”

Muitas vezes não temos as condições ideias para tomar uma decisão!

Ora estamos pressionados pelo tempo, ora estamos pressionados pelos envolvidos na decisão que precisamos tomar, e também muitas vezes não temos as informações necessárias para que tomemos essa decisão!

Mas precisamos tomar!

Ficamos indecisos, inseguros, estressados, apavorados! Mas temos que decidir.

Percebo que fatores internos como a personalidade, o estado emocional e na minha opinião a autoestima , afeta a nossa tomada de decisão!

Hoje eu escolhi o tema decisão, principalmente em razão da situação que vivemos em função da Pandemia do COVID-19.

Somos bombardeados por informações de todos os lados!

Somos pressionados a ficar em casa, mas precisamos trabalhar, defender “o pão de cada dia!”

Aí fica a dúvida:

– O que fazer?

– Em quem acreditar?

– Quais serão as consequências da decisão que tomei?

– Estou ciente disso, ou fui manipulado?

– Porque decidi fazer isso?

Quantas questões envolvidas, num é mesmo?

Hoje, o grau de incerteza a que estamos submetidos é um absurdo!

E essas circunstâncias podem te levar a uma decisão equivocada!

Conheço pessoas que não conseguem tomar decisões!

Outras que, quando tomam decisões, tem um nível de arrependimento acima da média!

Não podemos esquecer que essa situação imobiliza o indivíduo e sua qualidade de vida fica comprometida! Nesse caso a pessoa precisa de ajuda profissional!

Tenho pensado muito nisso e resolvi falar um pouco sobre processo decisório para aumentar seu grau de consciência sobre as decisões que toma!

O tema Processo Decisório é tratado em tese de mestrado e doutorado, tem inúmeros modelos acadêmicos defendidos para a tomada de decisão.

Meu intuito não é abordar o tema decisão nessa profundidade, mas sim, te alertar sobre os cuidados na hora de tomar suas decisões!

Listo alguns cuidados que acredito ser necessário na tomada de decisão:

– Cuidar de juntar o maior número de informações essenciais, imprescindíveis para a tomada de decisão;

– Avaliar os prováveis cenários que se desenham, quais alternativas tem para tomar uma decisão;

– Prever as prováveis consequências que sua decisão trará;

– Estabelecer um Mapa Mental para o Processo Decisório;

– Escutar, na medida do possível, opiniões sobre a questão que precisa resolver, que precisa decidir. Ter um bom time de conselheiros ajuda muito;

– Quando for possível, tomar decisões compartilhadas, que fortaleçam a eficiência e eficácia da decisão tomada;

– Evite tomar decisões no calor das emoções. Elas podem ser precipitadas e causar prejuízos não previstos adequadamente por você!

Gostou do tema, tem dúvidas, gostaria de deixar sua opinião?

Conte comigo, se precisar conversar, mantenha contato!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

PROCRASTINAÇÃO

 

O avanço tecnológico trouxe para nossa rotina um número cada vez maior de sistemas, aplicativos e controles sobre nossas tarefas. Se uma das justificativas para a evolução tecnológica era a maior comodidade, agilidade e o alívio nas tarefas, essa promessa não se concretizou.

Fazemos mais coisas ao mesmo tempo, aumentou a cobrança, e nos vemos perdidos com tantas tarefas ao mesmo tempo. Estamos a beira de uma estafa, esgotamento emocional, e em alguns casos mais graves, a Sindrome de Bournout.

Esse aumento nos compromissos, tarefas e responsabilidades nos deixou de certa forma pressionados, ansiosos! Uma das consequências mais comuns é o adoecimento mental de uma parcela dos trabalhadores, principalmente pelo excesso de utilização dos recursos de comunicação e dados.

Uma outra consequência desse ritmo frenético é a procrastinação, que tem como um de seus significados, adiar tarefas, compromissos e obrigações, o chamado “empurrar com a barriga”.

Quando esse tipo de situação ocorre vez ou outra, não há com o que se preocupar, pois pode ter sido uma questão de prioridades do indivíduo.

Agora quando esse comportamento de adiar um compromisso ocorre sucessivas vezes, já pode ser um indício de que a procrastinação já está se tornando um hábito, um comportamento recorrente.

Várias podem ser as razões que levam o indivíduo a começar a procrastinar. Essas razões podem ser psicológicas, emocionais, físicas e acabam surgindo sem o indivíduo perceber.

Eu mesmo já me vi procrastinando algumas tarefas que não julgava prioritária e que se mostraram urgentes. Acabei tendo que me dedicar com afinco para não perder prazo ou prejudicar meu cliente.

Ainda hoje preciso ficar atento para não ter recaídas e voltar a procrastinar. Sei o quanto é difícil praticar e perseverar estratégias para evitar a procrastinação. Portanto não desanime, sei o que você sente. Vivi na pele e sentimento!

A procrastinação pode ser manifestada por um adiamento de tarefa em razão do indivíduo achar que ainda tem um prazo confortável para realizar a atividade/tarefa.

Pode ainda ser em razão de ser uma tarefa complexa, difícil e relativamente desprazerosa, e o indivíduo preferir fazer outra tarefa mais prazerosa, simples e de fácil execução.

Outro motivo muito comum que pode levar o indivíduo a adiar uma tarefa é o fato de seu estado emocional estar em desequilíbrio e ele não estar com vontade de fazer a tarefa.

Mentalmente ele cria motivos que justifiquem esse adiamento. Pode ser por causa de ter discutido com o chefe e ficado com uma certa mágoa, e como “penalidade, punição” não fazer no momento a tarefa ordenada pelo chefe, deixar para depois, colocar outra prioridade no local:

Esse funcionário pensa mais ou menos assim “- Ahh, o chefe que espere!!! Tenho outra coisa mais importante para fazer. Amanhã eu faço o serviço que ele me pediu.”

Esse é um exemplo  clássico que mostra nas palavras do funcionário, a mágoa com seu chefe.  “O chefe que espere!!!!!!!!” – esse funcionário encontrou um motivo ideal para procrastinar!

Agora que você já sabe um pouco mais sobre o que é procrastinar e suas consequências, vou passar algumas dicas para você refletir sobre o tema:

– Procure ter uma lista de tarefas que deverá realizar no dia. Elabore essa lista de uma maneira justa e que seja executável por você! Isso poderá ser uma ferramenta para organizar seu dia;

– Divida as tarefas em pequenas etapas, onde você possa cumpri-las aos poucos e com um tempo razoável de execução;

– Evite estímulos externos que possam tirar seu foco, como celular, televisão, conversas paralelas. O foco é importante para o começo, meio e fim da tarefa;

– Evite fazer várias coisa ao mesmo tempo. Organize seu dia destinando uma tarefa por vez;

– Faça a acabativa. Acabativa significa acabar a tarefa que começou, ir até a conclusão da atividade. Portanto levante as tarefas já iniciadas, aquelas que já estão com o prazo curto, e as tarefas urgentes. Essa atitude fortalecerá seu senso de urgência e de eliminação de pendências, tirará as cobranças de seu superior em razão de trabalhos atrasados!

Agora que você conhece um pouco mais sobre procrastinação, convido você a se aprofundar com o tema, conhecer técnicas, aplicativos e outros artigos que abordem o tema!

Enfrente esse problema de frente, modifique o comportamento e aumente sua produtividade.

Melhore a qualidade de entrega dos seus trabalhos. Isso melhorará sua imagem pessoal, alavancará sua carreira e te trará bem estar e qualidade de vida.

Acompanhe meu trabalho nas redes sociais. Compartilhe informação e conhecimento. Essa é a grande curtição!

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo e Coach

 

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL – saiba mais

A transformação no mercado de trabalho está a cada dia chegando mais próximo das nossas empresas.

As novas tecnologias, a economia circular, a globalização, todos esses fatores levam os profissionais a desenvolverem uma sobrecarga emocional que muitas vezes desencadeia em estresse, doenças emocionais e outras complicações, que invariavelmente levam a um nível de desmotivação e insatisfação enorme.

Em razão de todos esses motivos conhecer um pouco mais sobre inteligência emocional acaba sendo importante, e em muitos casos a oportunidade de desenvolver um diferencial competitivo!

Daniel Goleman, psicólogo e pesquisador do tema, definiu inteligência emocional como a capacidade de reconhecer suas emoções e a das outras pessoas!

Em sua pesquisa, desenvolveu o conceito de que a inteligência emocional possui características próprias! A seguir relatarei brevemente a definição de cada uma delas:

AUTOCONHECIMENTO – Nível de conhecimento de si, sabem lidar com as emoções que estão sentindo;

EMPATIA – Capacidade de colocar-se no lugar do outro, sentir a emoção do outro;

RELACIONAMENTO INTERPESSOAL – Capacidade de relacionar-se bem, influenciar e persuadir pessoas;

AUTOCONTROLE – Capacidade de controlar-se em situações difíceis e extremas;

AUTORREGULAÇÃO – Consegue com frequência adiar gratificações, recompensas e prazeres imediatos para conquistar seus objetivos.

AUTOMOTIVAÇÃO – Busca em si a motivação para superar as adversidades e dificuldades;

Como vê, inteligência emocional tem aplicação prática, diária, envolve treinos constantes com perseverança, determinação e foco!

Como está sua inteligência emocional?

Um forte abraço!

 

Arnaldo Santos

Psicólogo e Coach

#academiaderadiologia; #coachdecarreira #mentoria#aconselhamentodecarreira ; #arnaldosantoscoach ;

 

LIDERANÇA – CONHEÇA MAIS

A globalização, a evolução tecnológica, o trabalho do futuro, todas essas questões que a sociedade está vivenciando, não substituem uma boa liderança!!!!!

Posso te afirmar que essas questões chegaram aonde chegaram graças a bons líderes, pessoas que acreditaram no seu sonho, foram visionários, foram excelentes empreendedores.

Uma das definições teóricas para a liderança é a de que é a capacidade de influenciar pessoas. Também tem a definição que diz que liderança é a capacidade de fazer com que as pessoas atinjam metas e resultados.

Interessante que para ser um líder, o indivíduo precisa possuir ou desenvolver algumas características próprias, inerentes às suas atribuições.

A história nos mostra que os bons líderes possuem uma destacada capacidade emocional, são confiáveis, motivam seus liderados, tem uma boa oratória, tem pensamentos positivos, entre muitas outras características que os tornam pessoas admiráveis.

Percebemos que a liderança é uma capacidade essencial para os diversos campos da vida, seja pessoal, profissional, convívio em sociedade e também na política.

Bons líderes formam seus sucessores, desenvolvem grupos, mostram que uma causa, um ideal vale a pena.

Os grupos que possuem bons líderes elevam sua performance, trabalham  em harmonia e equilíbrio, desenvolvem sinergia, entregam resultados melhores que o esperado. Esses bons líderes extraem do indivíduo níveis excelentes de motivação.

O bom líder percebe que pode usar um repertório de diferentes estilos, que são adaptados ao estilo da equipe, da situação e do ambiente onde precisa intervir.

Entre os principais estilos que o líder pode utilizar na condução das suas equipes,  podemos destacar inicialmente os estilos básicos, primários:

LIDERANÇA DEMOCRÁTICA – Utiliza a cooperação e participação da equipe em sugestões, opiniões, ideias e auxiliar na resolução de problemas;

LIDERANÇA AUTOCRÁTICA – Utiliza pulso firme, dá ordens, induz o liderado a realizar a tarefa do jeito que mandou. Pouco utiliza as opiniões e sugestões dos componentes da equipe;

LIDERANÇA LIBERAL – Também conhecida como Laissez-faire deixa os liderados à vontade para fazer a tarefa da maneira que quiser, cada liderado cumpre a tarefa do seu modo;

Não podemos deixar de citar estilos que surgiram no decorrer do tempo, que foram descritos como:

LIDERANÇA SITUACIONAL – É utilizado pelo líder os diferentes estilos, de acordo com o perfil da equipe, a situação que ocorre no momento e o ambiente que o fato ocorre;

LIDERANÇA TRANSACIONAL – O líder utiliza esse estilo quando quer definir os objetivos e metas, oferecendo em troca recompensas, reforços que fazem sentido para os membros da equipe;

LIDERANÇA TRANSFORMACIONAL – Nesse estilo o líder convence seus liderados de que a mudança é importante, é boa, traz bons resultados. Os liderados ficam comprometidos e compartilham essa proposta de mudança;

Também não podemos deixar de abordar as lideranças essenciais, originais que nascem com o indivíduo e tem relação com sua filosofia de vida. São elas

LIDERANÇA CARISMÁTICA – O líder carismático conquista seus seguidores pela confiança, semelhança nas crenças e nos objetivos. É considerada por muitos como nata, como própria do indivíduo.

Conhecer sobre liderança e estilos que eles podem liderar é importantíssimo para desempenhar suas responsabilidades e a equipe entregar resultados. Mas não podemos deixar de citar a importância de compreender como a personalidade do líder pode facilitar o trabalho ou dificultar, integrar a equipe ou ser um mero gestor de conflitos. Mas o que vem a ser personalidade?

Os pesquisadores de psicologia apontam a personalidade como um conjunto de características únicas, particulares que determinam o jeito de ser do indivíduo.  Portanto ao ocupar a liderança, o líder terá maior facilidade em trabalhar o estilo mais adequado a sua personalidade. Se sentirá mais à vontade.

Portanto, conhecer o que é liderança, os estilos e a personalidade ajuda a atingir metas,  superar obstáculos no desempenho. Além de ser um conhecimento fundamental para estudantes, gestores e interessados em desenvolver sua capacidade de liderança.

Quer saber, mais sobre gestão, liderança, empreendedorismo e psicologia? Acompanhe minhas postagens, inscreva-se no Canal do Youtube!!!

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo e Coach