Estou formado, e agora?

Qual curso devo fazer agora que me formei?

Com novembro terminando, chega ao fim para muitos estudantes um ciclo educacional!

É a tão esperada e sonhada formatura. Seja no ciclo básico, secundário ou na universidade, esse é um momento mágico.

Caderno de recordações com depoimentos de seus amigos, fotos da turma tirada em sala de aula. Bailes pró-formatura (agora num pode que estamos em pandemia) é maravilhosa toda essa expectativa.

Para muitos alunos as avaliações, projetos, trabalhos, atividades já estão finalizando.

As aulas já são apresentadas em forma de despedida.

Ahh por falar nisso nesse final de novembro dei uma palestra on line e a aula começou com um emocionante depoimento da professora para a sua turma!

Vários alunos pediram a palavra e elogiaram muito a professora. Disseram que ficará na memória os ensinamentos da professora e a lembrança da maravilhosa pessoa humana que é!!

Se despediram de forma emocionada e emocionante!

O carinho mútuo foi nítido!!!

E esse fim de ciclo deixa para muitos a dúvida do que fazer daqui por diante.

Quando se está no ciclo fundamental, a preocupação dos pais é na continuidade dos estudos na própria escola, ou quando não tem a oferta do curso desejado, a mudança de escola é inevitável.

Já no ensino médio e superior, muitas dúvidas surgem no formando.

O que vou fazer agora?

Vou me matricular num curso técnico?

Vou me matricular numa faculdade?

Devo procurar um emprego e deixar os estudos para mais tarde?

Como professor tenho experiência nessa questão! Como já passei por isso, fico à vontade para falar!

No meu caso específico, ao terminar o ensino médio preferi iniciar minha vida profissional e somente depois de empregado, com dois anos de empresa, ingressei no curso de administração.

Terminada a graduação em administração engatei a Pós-Graduação em Administração de Recursos Humanos.

Já trabalhava na área e era importante ter essa pós-graduação para o meu desenvolvimento profissional.

O curso de Psicologia surgiu 3 anos depois.

Estava casado, tinha trocado de emprego e na nova empresa, novo cargo, vi na Psicologia uma oportunidade de ingressar na área de Recrutamento e Seleção, que sempre foi meu sonho.

Tive muitas dificuldades, mensalidades atrasadas, uma DP numa matéria que não me lembro, meu filho nasceu durante a realização do curso de psicologia.

Ufahhh, mas consegui!!!!

Porisso quando chega essa época onde o ano letivo está terminando, penso muito nessa alegria que o estudante tem em se formar, em concluir esse importante ciclo da vida.

Sei o quanto é difícil, cansativo, exaustivo a longa caminhada até a formatura.

E quando o formando vem e me pergunta o que deve fazer daqui para frente, depois de formado, devolvo com uma outra pergunta:

-E agora que você se formou, conquistou seu objetivo, seu sonho, qual novo sonho que você tem? Ele está alinhado a seu propósito de vida?

Sabe, penso que precisa de um novo objetivo, não deve seguir um modismo, uma determinação de alguém.

Tem que seguir seu coração!!

Já conversei com ex-aluno que o sonho era realizar um intercâmbio no exterior!

Hoje esse meu ex-aluno mora na Irlanda, está feliz!

Encontrou sua felicidade lá!

Um outro ex-aluno me perguntou o que achava da carreira acadêmica!

Mostrei as vantagens e desvantagens da carreira docente!

Mostrei o caminho, as instituições que ofereciam pós-graduação, mestrado, doutorado! Esse meu ex-aluno agora é professor numa instituição de ensino superior!

Teve um aluno que no final do semestre, ao término do curso, me perguntou sobre o curso de psicologia.

O que eu achava, quais vantagens, qual carreira poderia ter numa empresa. Mostrei as vantagens da área de recursos humanos.

O rapaz ficou de avaliar se era melhor 5 anos de psicologia ou um curso de Tecnologia em Recursos Humanos!

Você percebe a importância que tem o final de um curso, uma formatura na vida do ex-aluno?

E esse término de ciclo ganha uma importância maior agora nesse momento de incerteza provocado pela pandemia!

O formando fica inseguro e preocupado com o futuro da sua carreira!

E fica mesmo aquela dúvida martelando na cabeça: – Me formei, e agora?

Vou finalizando por aqui com parabéns a todos que nesse início de dezembro finalizarão seus cursos e conquistarão a tão sonhada formatura.

Parabéns!

Só posso dizer que vocês são vencedores.

Muitos ficaram pelo meio do caminho.

E você chegou.!!!

Só posso te dizer: “Siga em frente!”

Gostou do tema, tem uma história para contar da sua trajetória no seu curso? Escreve para mim deixa seu depoimento.

Acompanhe meu trabalho pelas redes sociais!

Um forte abraço

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

MINHA EXPERIÊNCIA NA ÁREA EDUCACIONAL COM AS AULAS AO VIVO ON LINE

Minha paixão pela educação já não é de hoje!!

Desde que tentei iniciar na área, no início dos anos 2000, minha vontade de lecionar já era enorme!

Estava terminando minha graduação em Psicologia e estava com a energia em alta, muito conhecimento adquirido num curso maravilhoso e transformador!

A empresa onde tralhava na época incentivava a nossa capacitação para atuar com treinamento. Desde aquela época já éramos estimulados a ter a formação continuada, buscar a formação transversal! Num dos cursos que frequentei, ganhei da organização do curso o livro “Tratado da Transversalidade! Foi um momento muito importante da minha vida e da minha história na educação.

Pelo contato que tive com a prática de lecionar, pensava “Estar no tablado, mantendo contato com retroprojetor, flipchart e lousa é o meu maior sonho!

Minha história na empresa foi muito interessante!

Apesar de não atuar em sala de aula, já que a área que não tinha nada de prática educacional. Eu atuava no departamento pessoal, respondia pela folha de pagamento de pessoal nessa grande empresa. Como o segmento de atuação dessa empresa era o segmento educacional, comecei a pensar em como ingressar na área de cursos e dar uma mudada na minha carreira.

Já estava atuando com recursos humanos tinha 20 anos!

Pensei – Já está na hora de mudar!

Buscar novos desafios fora das mesas de um escritório, do departamento pessoal.

Sai dessa empresa!

Sou muito grato por tudo que ela fez por mim!

Entre outras coisas ela aguçou minha curiosidade por lecionar, por ir em busca de meus sonhos, principalmente de me tornar professor!

Anos depois, me tornei professor! Finalmente comecei a lecionar, senti muito orgulho!

Era a realização de um sonho, uma conquista profissional muito importante em minha carreira.

Várias pessoas me ajudaram a concretizar esse sonho e nomeá-las seria injusto, poderia esquecer de alguém.

Numa retrospectiva, o início dos anos 2000 ainda tinha uma forma tradicional lecionar, de dar aula!

Na instituição que comecei a lecionar, os recursos para dar aula eram os tradicionais lousa, tablado, retroprojetor, slides, apostila, xerox de “cases”, texto de apoio para atividades!!!!

Raras eram as ocasiões que tínhamos oportunidade de utilizar recursos como o Datashow. Ainda era artigo de luxo na maioria das escolas, inclusive universidades.

Em paralelo ao ensino presencial, começava a despontar o EAD. No geral, ainda pouco se falava no ensino superior das aulas em EAD!

As poucas ofertas de curso em EAD que existiam ofereciam o acesso à plataforma, a leitura textos-base, fórum e chat.

0 EAD ainda era uma novidade na área educacional.

Encontrava muitas resistências, tanto de alunos quanto das instituições. Isso provocava ainda baixa oferta de cursos. Poucos de nós professores era convidado a lecionar nessa modalidade.

Se analisarmos o contexto onde os cursos em EAD eram oferecidos, tratava-se de um período onde o estímulo à matrícula no ensino superior presencial era gigantesco.

O governo promovia incentivos ao ingresso na faculdade, com subsídios de mensalidades, contratos de empréstimos para pagamento após formado, além da ampliação da oferta de cursos presencias, graças ao ingresso no mercado educacional brasileiro dos grandes players da educação mundial e também entrada de fundos de investimentos.

A prosperidade na área universitária nunca tinha chegado nesses níveis!

Portanto, os alunos eram estimulados a realizar o curso presencial, a infraestrutura era abundante.

A oferta de aula para nós professores era generosa, não ficávamos sem aulas.

O EAD crescia timidamente, com uma pequena quantidade de alunos que realizavam, muitas vezes por limitações diversas. Provavelmente essa seria a única forma de ter uma graduação.

Passados tanto tempo, o cenário mudou!

O EAD se estruturou!

A instituição começou a capacitar seus professores!

Comecei a fazer cursos sobre videoaulas, participei de treinamentos formatados de acordo com a necessidade da instituição.

Participamos de oficinas, foi desenvolvido tutoriais! Confesso que gostei muito dessa experiência! Estava ótimo, capacitação, estrutura, aulas no EAD. Um cenário animador! Muitos professores não gostaram! 

A instituição desenvolveu admirável estrutura tecnológica! Em paralelo ocorreram  demissões em grande escala! Centenas de professores que entraram na mesma época que eu, perderam seu emprego.

A demanda pelo EAD era gigantesca. A instituição acompanhou o mercado e contratou tutores para acompanhar seus alunos. Nós professores, fomos substituídos nas aulas de EAD. Ficamos somente com as aulas presenciais!

Nesses tempos de pandemia o EAD e a aula On Line ao Vivo tornaram-se excelentes opções para continuar os estudos nessa pandemia!

Muitas instituições de ensino, públicas e privadas, no mundo inteiro, adotaram essa modalidade de ensino! Outrs escolas estão fechadas até o dia que publico essa postagem! Escolas fechadas por conta de políticas preventivas de isolamento social e quarentena. Alunos sem aula e sem a possibilidade de continuar seu aprendizado!

Mesmo no retorno gradual e progressivo, com a retomada das atividades, governos e autoridades dizem que parte das aulas continuarão sendo em ensino remoto.

Pois é meus leitores e eu fiz e faço parte dos milhares de professores que lecionou no ensino on line ao vivo durante essa pandemia!

Que experiência!

Foi transformador!

Nunca pensei que ia passar por esse momento:  minha aula transmitida para meus alunos, pelo celular, ao vivo, todos em suas casas e eu transmitindo da minha casa.

Com um conteúdo previamente definido, material de apoio preparado, plataforma de ensino conectada, sistema de transmissão pela internet mediado por um aplicativo de videoconferência, pontualmente iniciava minha aula.

Via a cada minuto novos alunos chegando, cumprimentando, contando as novidades, até finalmente a aula começar!

No início foi difícil!

Parecia que estava sozinho, falando para ninguém!

Numa explanação guiada por powerpoint, imagens, fórmulas, tarefas, ia avançando o conteúdo!

Periodicamente perguntava se estavam entendendo, se estava clara minhas explicações! Alguns “ok” – outros “sim” e outros “pode ir adiante” apareciam no chat da aula!

E o silêncio prevalecia!

Único som: o da minha voz!

Únicas palavras, as monossilábicas já relatadas!

E quando chegava a hora da leitura da atividade do dia, transmitia e aguardava a entrega por e-mail, ou pela plataforma!

E quando atingia o horário mínimo para liberação da chamada, passados 30 segundos já não estava mais quase ninguém logado na aula!

Pensava comigo:

“- Caramba, preciso fazer algo diferente para dinamizar essas aulas ao vivo! Só a explanação e o powerpoint, tá ficando esquisito!!!!”

E posso te dizer, essa foi a minha maior angústia lecionando no ensino on line ao vivo!

Foi um desafio tornar as aulas, os momentos de ensino-aprendizagem, mais prazerosos, interessantes, e transmitir ao aluno!

Passei a modificar a forma, invertendo a maneira de dar aula!

O aluno precisava ser o protagonista nesse tipo de aula. Então pedi para trazer sua experiência, seu entendimento do assunto da aula. Foi gratificante.

Foi uma grande virada no jogo!

A partir dessa nova atitude, as aulas ficaram melhores, os puderam expor maior criatividade e liberdade em conteúdo programado para cada aula!

Te digo, parece que estava desempenhando meu trabalho numa nova profissão, que estava participando de uma nova maneira de se adquirir conhecimento!

Aula ao vivo on line, o futuro antecipado para nosso presente!

Legado dessa pandemia, que transformou o mundo!

Gostei tanto dessa experiência, que deixei ela registrado no meu blog, para quando tudo passar, recordar e relembrar de momentos tão significativos da minha vida profissional!

Quer saber mais, quer deixar seu depoimento! Escreva! Sua opinião é importante para mim!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach  

PROCESSOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO À DISTÂNCIA

Expansão do Ensino à Distância

Como melhorar o desempenho no aprendizado na modalidade de ensino à distância?

Acredito que essa pergunta é uma das mais comuns entre os estudantes que em razão da pandemia COVID-19 começaram a ter suas aulas ao vivo ou em videoaulas!

Vejo muitos alunos com dificuldade para se organizar nos estudos com a mudança para aulas On line.

O estudante precisa tomar algumas providências para elevar seu desempenho educacional e compreender melhor as aulas a distância.

Algumas questões e dicas eu abordei anteriormente, sobre as formas de aprendizagem (a aprendizagem auditiva, aprendizagem cinestésica e aprendizagem visual). Porém acredito que precisam ser complementadas para potencializar o aprendizado e aumentar a retenção da informação e transformação dela em conhecimento para o aluno.

Começo lembrando que diante dos recursos e ferramentas que temos hoje para a transmissão de aulas ao vivo e on line, o conteúdo ficou muito parecido com o presencial. Os equipamentos e sistemas disponíveis proporcionam uma interatividade do aluno com o professor. Ao vivo ele pode perguntar pelo chat, ou mesmo  solicitar a permissão para utilizar o microfone e falar com o professor, expressar sua opinião sobre o tema da aula, dúvidas em relação à explicação, entre outras interações.

Portanto as aulas ao vivo, e também as gravadas, são excelentes alternativas à quarentena, que suspendeu as aulas presenciais, até terminar o período de quarentena.

Pela experiência que acumulei na área da psicologia e da educação, sugiro algumas medidas complementares, que bem executadas, poderão melhorar a retenção das informações transmitidas pelas aulas à distância.

Destaco a seguir minhas sugestões que podem ajudar nas aulas ministradas à distância para aumentar a retenção de informação e transformar em aprendizado:

– Treinamento de habilidades matemáticas e de raciocínio lógico;

– Elaboração diagramas, mapas mentais, mapas conceituais, esquemas visuais com setas, símbolos, cores. Indicação de direção e fluxo do que está sendo aprendido, com a finalidade de entender conceitos teóricos;

– Modelos visuais com cartazes, desenhos, fotos, símbolos para que se estabeleça associações, diferenciações e generalizações de aprendizado;

– Buscar livros ou sites sobre o tema estudado, que conte por meio de estórias. A técnica de contar estórias, “cases”, jornada do herói,  ajuda a fixar lembranças sobre o tema. Nesse contexto também funcionam bem os filmes e seriados;

– Utilização de papel rascunho, post-it, para interpretar a atividade, a tarefa, as regras do jogo;

– Lista de exercício para resolução de problemas! A repetição de exercícios complexos ativa a criação do mapa mental individual de aprendizado;

– Leitura em voz alta para quem retém a informação pela capacidade auditiva, melhorando as informações daquilo que está lendo. Associa duas modalidades de aprendizado. A visual composta pelas palavras, pelas expressões verbais, as fórmulas, os esquemas. A auditiva, que funciona como um gravador das orientações expressadas pelos próprios alunos

– Quebra-cabeças, peças numeradas, que proporcionam juntar as partes, formando um todo. Nesse caso, uma providência cinestésica. Desenvolve a habilidade sensório-motora. Os elementos visuais como forma e cor, identificam as peças que se encaixam, que se completam.

– Gameficação, onde a utilização de jogos de aprendizagem, da participação em competições, motiva o aluno. Motivado ele passa a se interessar em ler, resolver exercícios e participar ativamente da aula. Torna a aula desafiadora e interessante.

Espero que com essas dicas você consiga:

  • Organizar melhor seus estudos;
  • Aumentar o interesse pelas aulas à distância;
  • Preparar-se melhor para assistir as aulas à distância;
  • Compreenda melhor o conteúdo das aulas;
  • Aplique os conhecimentos adquiridos na sua vida cotidiana

Como professor, Eu acredito que esse é um dos maiores desafios nesse  momento implantação de ensino à distância para milhares de alunos que não tiveram experiências anteriores com essa modalidade de ensino.

Acompanhe meu trabalho nas redes sociais!

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

COMO MELHORAR O APRENDIZADO NAS AULAS EM ENSINO À DISTÂNCIA?

O momento de emergência provocado pela pandemia do coronavírus, transformou de uma hora para outra, nossa maneira de viver, de se relacionar, de trabalhar e, também de aprender.

O governo, em razão da pandemia decretou quarentena, afastamento social, fechando os estabelecimentos, liberando somente os essenciais, aqueles que são de utilidade pública, como mercados, farmácias, padarias, postos de gasolina, entre outros.

O fechamento, o distanciamento social, a quarentena, trouxe mudanças consideráveis em nossas vidas. Muitos de nós começaram a trabalhar em home office. Outros, os contratos de trabalhos foram suspensos, e os trabalhadores autônomos, profissionais liberais e microempresários, precisaram se reinventar, modificar sua forma de trabalhar, de atender seus clientes, de fechar seus contratos.

A educação também foi afetada! As aulas suspensas, os alunos, do ensino fundamental ao ensino superior, ficaram na expectativa sobre qual solução as instituições de ensino adotariam.

Muitas suspenderam as aulas, com férias e recesso antecipados a seus alunos. Outras recorreram ao EAd, com aulas gravadas. Algumas optaram pelas aulas on line ao vivo.

Solução encontrada, fica a grande pergunta:

Como alunos que não tiveram experiência em EAD, ou que, de uma forma geral não se adaptaram, podem aumentar seu desempenho no aprendizado, assimilar conteúdos agora transmitidos pela internet?

Como professor dos dois tipos de aulas, e atuante já a algum tempo no mundo digital, e também com formação em psicologia e experiência em desenvolvimento de aprendizagem, elaborei algumas dicas e sugestões para que essa fase de aulas a distância. Para isso, me fiz uma pergunta:

Como posso me adaptar ao ensino on line?

Dou 3 sugestões para que você comece a adaptar-se melhor ao ensino à distância e seu desempenho aumente.

1ª Sugestão – Identifique como você aprende melhor. Se pela explicação visual, auditiva ou cinestésica. A visual consiste na sua percepção sobre o que está sendo apresentado. Se você consegue perceber melhor os detalhes, visualizar os dados, memorizar o que vê! A auditiva consiste na sua escuta ativa, se você ouve, processa e interpreta aquilo que ouve. Se consegue memorizar o que é falado da forma como foi falado e se consegue memorizar bem aquilo que é falado. A cinestésica que consiste na maneira como você anota aquilo que é apresentado durante a aula, a maneira como risca, como escolhe e escreve as palavras-chave!

2ª Sugestão – Investir mais conhecimento sobre a maneira como aprende para que essa assimilação favoreça seu aprendizado!

3ª Sugestão = Destinar um tempo para realizar exercícios, rever o que foi anotado, ler mais a respeito do tema que foi explicado. Essa providência aumentará sua fixação sobre o que aprendeu!

Agora que você conhece as minhas sugestões, veja se elas se enquadram na maneira como você está estudando no EAD. Faça uma análise e veja o que é possível colocar em prática, o que não tem aplicação prática para você e também o que pode ser melhorado!

Excelentes estudos para você!

Que a quarentena estimule novas formas de aprendizado e de desenvolvimento de novas competências!

Acompanhe meu trabalho nas redes sociais!

 

Professor Arnaldo Santos

Psicólogo e Coach