Estou formado, e agora?

Qual curso devo fazer agora que me formei?

Com novembro terminando, chega ao fim para muitos estudantes um ciclo educacional!

É a tão esperada e sonhada formatura. Seja no ciclo básico, secundário ou na universidade, esse é um momento mágico.

Caderno de recordações com depoimentos de seus amigos, fotos da turma tirada em sala de aula. Bailes pró-formatura (agora num pode que estamos em pandemia) é maravilhosa toda essa expectativa.

Para muitos alunos as avaliações, projetos, trabalhos, atividades já estão finalizando.

As aulas já são apresentadas em forma de despedida.

Ahh por falar nisso nesse final de novembro dei uma palestra on line e a aula começou com um emocionante depoimento da professora para a sua turma!

Vários alunos pediram a palavra e elogiaram muito a professora. Disseram que ficará na memória os ensinamentos da professora e a lembrança da maravilhosa pessoa humana que é!!

Se despediram de forma emocionada e emocionante!

O carinho mútuo foi nítido!!!

E esse fim de ciclo deixa para muitos a dúvida do que fazer daqui por diante.

Quando se está no ciclo fundamental, a preocupação dos pais é na continuidade dos estudos na própria escola, ou quando não tem a oferta do curso desejado, a mudança de escola é inevitável.

Já no ensino médio e superior, muitas dúvidas surgem no formando.

O que vou fazer agora?

Vou me matricular num curso técnico?

Vou me matricular numa faculdade?

Devo procurar um emprego e deixar os estudos para mais tarde?

Como professor tenho experiência nessa questão! Como já passei por isso, fico à vontade para falar!

No meu caso específico, ao terminar o ensino médio preferi iniciar minha vida profissional e somente depois de empregado, com dois anos de empresa, ingressei no curso de administração.

Terminada a graduação em administração engatei a Pós-Graduação em Administração de Recursos Humanos.

Já trabalhava na área e era importante ter essa pós-graduação para o meu desenvolvimento profissional.

O curso de Psicologia surgiu 3 anos depois.

Estava casado, tinha trocado de emprego e na nova empresa, novo cargo, vi na Psicologia uma oportunidade de ingressar na área de Recrutamento e Seleção, que sempre foi meu sonho.

Tive muitas dificuldades, mensalidades atrasadas, uma DP numa matéria que não me lembro, meu filho nasceu durante a realização do curso de psicologia.

Ufahhh, mas consegui!!!!

Porisso quando chega essa época onde o ano letivo está terminando, penso muito nessa alegria que o estudante tem em se formar, em concluir esse importante ciclo da vida.

Sei o quanto é difícil, cansativo, exaustivo a longa caminhada até a formatura.

E quando o formando vem e me pergunta o que deve fazer daqui para frente, depois de formado, devolvo com uma outra pergunta:

-E agora que você se formou, conquistou seu objetivo, seu sonho, qual novo sonho que você tem? Ele está alinhado a seu propósito de vida?

Sabe, penso que precisa de um novo objetivo, não deve seguir um modismo, uma determinação de alguém.

Tem que seguir seu coração!!

Já conversei com ex-aluno que o sonho era realizar um intercâmbio no exterior!

Hoje esse meu ex-aluno mora na Irlanda, está feliz!

Encontrou sua felicidade lá!

Um outro ex-aluno me perguntou o que achava da carreira acadêmica!

Mostrei as vantagens e desvantagens da carreira docente!

Mostrei o caminho, as instituições que ofereciam pós-graduação, mestrado, doutorado! Esse meu ex-aluno agora é professor numa instituição de ensino superior!

Teve um aluno que no final do semestre, ao término do curso, me perguntou sobre o curso de psicologia.

O que eu achava, quais vantagens, qual carreira poderia ter numa empresa. Mostrei as vantagens da área de recursos humanos.

O rapaz ficou de avaliar se era melhor 5 anos de psicologia ou um curso de Tecnologia em Recursos Humanos!

Você percebe a importância que tem o final de um curso, uma formatura na vida do ex-aluno?

E esse término de ciclo ganha uma importância maior agora nesse momento de incerteza provocado pela pandemia!

O formando fica inseguro e preocupado com o futuro da sua carreira!

E fica mesmo aquela dúvida martelando na cabeça: – Me formei, e agora?

Vou finalizando por aqui com parabéns a todos que nesse início de dezembro finalizarão seus cursos e conquistarão a tão sonhada formatura.

Parabéns!

Só posso dizer que vocês são vencedores.

Muitos ficaram pelo meio do caminho.

E você chegou.!!!

Só posso te dizer: “Siga em frente!”

Gostou do tema, tem uma história para contar da sua trajetória no seu curso? Escreve para mim deixa seu depoimento.

Acompanhe meu trabalho pelas redes sociais!

Um forte abraço

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

A pandemia e as perspectivas de aprendizagem

A pandemia da COVID-19 fez os professores se reinventar para poder dar aula Ao Vivo On Line

O momento atual é de muita reflexão a respeito das consequências da paralização das aulas presenciais, em razão da pandemia do COVID-19.

O modelo de aula presencial que imperou até março de 2020 previa salas de aulas com numerosos alunos, lousa, recursos didáticos e um professor.

Nesse modelo o professor era o centro das atenções, protagonista, detentor do saber.

Podemos ilustrar várias salas de aula pelo Brasil afora, que mesmo com recursos tecnológicos que favoreciam o compartilhamento de aprendizado, que estimulavam a participação do aluno, o professor continuava como mediador desse aprendizado.

Estratégias como as metodologias ativas, o aprendizado colaborativo, buscavam tornar o aluno protagonista, um agente de aprendizagem também.

A sala de aula começou a transformar-se num local de troca de experiências, de aprendizado. O professor nesse novo papel, mediava essa relação e buscava torná-la produtiva, estimulante e desafiadora.

Pude observar ao longo dos últimos anos o avanço dessa transformação. Junto conosco professores, os recursos tecnológicos estavam entrando em sala de aula.

Cabe meu depoimento sobre o tema central para que eu fale um pouco a respeito da minha história.

Quando fui aluno do ensino superior na década de 1980 não existia celular, internet, mecanismos de busca, redes sociais.

Na década de 1980 nem se imaginava sobre essas questões e equipamentos no nosso pais.

Quando eu preparava meu trabalho acadêmico, ia até a biblioteca da faculdade ou em outra biblioteca da cidade de São Paulo, escolhia os livros que me interessava e transcrevia trechos de textos que tinham relação com minha pesquisa.

Quando precisava ampliar meu conhecimento sobre determinado assunto eu lia um livro, comprava uma apostila ou tirava copia do capítulo que me interessava.

Feitas as considerações, o meu “parênteses” sobre assunto, na sala de aula que lecionei ultimamente tinham pelo menos 32 computadores, Datashow e internet disponível para acesso dos alunos via celular.

Quer dizer, estamos falando de uma evolução que acompanhei por cerca de 35 anos. E para mim tudo isso é espantoso, pois significa mais recursos de apoio à aprendizagem de nossos alunos do ensino superior.

Não estou aqui entrando no mérito de ensino fundamental e médio, que certamente estão num outro momento dessa evolução.

Tenho percebido que mesmo com o aumento da tecnologia disponível para aprendizagem de nossos alunos, os resultados deixavam um pouco a desejar.

A possibilidade de consultar os mecanismos de busca para obter respostas, a questão de que quaisquer assuntos tratados em sala de aula em segundos poderiam ser checados, confrontados na internet, ao invés de estimular o aluno a aprender, estava o tornando displicente, acomodado e dependente da tecnologia para obter a informação.

Durante as aulas percebia que poucos tinham a curiosidade de checar a informação, de obter outras fontes para comparar os resultados. Nas questões ligadas a cálculos, tudo era resolvido com calculadoras, aplicativos, sistemas informatizados.

Lecionei matérias de aplicação prática como cálculos trabalhistas, custo de folha de pagamento.

Quando ia detalhar os cálculos e explicar sua importância, era frequente algum aluno fazer a seguinte pergunta:

 – Professor para que o  senhor está ensinando isso se a internet já fornece os cálculos prontos, de forma rápida, segura e confiável?

Quando escutava essa pergunta fazia uma breve avaliação da resposta que ia dar, mas antes meu pensamento dizia:

– Puxa vida, será que todos os anos que trabalhei executando esses cálculos foram em vão? Será que o trabalho que realizei será totalmente substituído por sistemas inteligentes de folha de pagamento? Será que o aluno está certo e esse ensinamento tornou-se obsoleto e descartável?

Bom, depois de todas essas reflexões eu respondia:

– O funcionário que tem dúvida de seu holerite de pagamento, não vai tirar a dúvida com a máquina.

Vai tirar com você?

Você sabe explicar o holerite de pagamento para seu funcionário?

A minha resposta normalmente deixava o aluno em silencio, pois certamente ele temia que eu pedisse para que ele explicasse a resolução do cálculo na lousa. E infelizmente ele não sabia explicar mesmo!

E eu seguia em frente com minha aula, para quem tinha interesse, para quem tinha dúvidas, para quem queria aproveitar ao máximo o conhecimento que eu tinha sobre o tema, e certamente aumentar seu conhecimento e buscar desenvolver-se na área, para concorrer a vaga de emprego, numa das áreas que mais tem oportunidades de emprego e bons salários.

Querido leitor, toda essa explicação e relato para te dar a dimensão de uma aula, um tema que abordei em sala de aula e que teve uma adesão mediana, satisfatória e que pude atuar para aumentar o engajamento e participação na aula.

Nesse semestre me deparei com esse problema nas aulas ao vivo e on line. Agora você imagina eu explicando esse mesmo tema pelo celular, distante, falando de coisas complexas e de difícil compreensão!

Tive poucos meses de experiência nessa transição. Lecionei somente por um semestre as aulas ao vivo e on line.

Tive essa dificuldade que te relatei, e pior, tive nas 4 salas que lecionei.

Precisei me reinventar para criar uma solução diferente para cada sala. Precisei em algumas dessas salas utilizar 2, 3 datas para explicar o que numa sala presencial conseguiria fazer em uma aula.

Agora fico pensando: Como os professores pelo Brasil afora estão lidando com o ensino on line ao vivo. Como os alunos estão assimilando assuntos de diferentes complexidades? Como os alunos estão mantendo seu nível de motivação e engajamento para superar essas dificuldades todas?

São muitas as dúvidas, é algo muito novo, está em construção!

As partes envolvidas estão aprendendo a lidar com tudo isso!

Tomando como parâmetro o momento atual, onde o semestre letivo de 2020 está encerrando, onde pandemia no Brasil está com cerca de 160 mil mortos, onde as eleições para prefeitos e vereadores estão para ocorrer.

O pronunciamento recente do MEC aponta que as aulas ao vivo e on line estão equiparadas ao ensino presencial e podem ser aplicadas até fim de 2021, o que esperar da aprendizagem nesse momento de pandemia?

Sinceramente eu não tenho essas respostas, mas como profissional da educação tenho muitas dúvidas sobre o cenário da educação nos próximos anos.

Gostou do tema, tem as mesmas dúvidas que eu, quer participar do debate sobre esse tema?

Comente, compartilhe, tire suas dúvidas. Sua participação pode ajudar a construir uma educação pós pandemia mais participativa e adequada a sua realidade.

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

Formação Continuada e o pós – pandemia

Recentemente participei de um curso gratuíto promovido pelo PUCRS ministrado por uma dupla de profissionais do mais alto gabarito, Leandro Karnal e Maria Luiza Trajano! Os dois dispensam comentários, são ícones na area que atuam!

O curso foi on line e teve o conteúdo ministrado por vídeoaulas, uma tendência que veio para ficar, quando tudo passar.

Achei muito interessante a abordagem sobre as tendências pós pandemia! Me chamou a atenção quando foi tratado a questão da Formação Continuada!

Em muitas aulas que lecionei para diversos cursos na Universidade, tratei desse tema, mas principalmente como sendo um diferencial competitivo, um destaque que o profissional poderia ter em suas qualificações.

Porém os dados trazidos, e também pesquisas que fiz posteriormente, textos que tenho lido nas redes sociais, artigos publicados em renomadas revistas, mostram que essa questão, a Formação Continuada, será uma espécie de pré-requisito para que a carreira do profissional seja bem-sucedida.

Se antes essa formação continuada poderia abranger cursos de uma trilha do conhecimento de uma mesma área, por exemplo finanças, agora essa formação pode ser diversificada, variada, envolvendo vários saberes, vários campos do conhecimento.

A nova linha do pensamento para a continuação dos estudos pode ser ampla, abrangente, direcionada aos interesses do indivíduo, e não somente a tarefa que realiza, o cargo que ocupa.

Podemos por exemplo ter um indivíduo que trabalha na área da saúde, tem interesse e habilidades de gestão e gosta muito de fotografia e vídeos!

Com a questão do pós pandemia esse indivíduo pode vir a fazer uma pós graduação em Gestão Hospitalar, cursos livres de fotografia, edição de fotos, aperfeiçoamente na utilização de cameras fotográficas. Indo além, esse profissional pode gravar vídeos sobre cuidados com a saúde, autocuidado, cuido com jovens e adolescentes, enfim essa trilha fica rica, intensa, diversificada, voltada para o desenvovimento holístico do indivíduo.

Isso é uma quebra de paradigma, pois a visão anterior compartilhava, aprofundava um determinado conhecimento. A atual, pelo contrário, mostra que o indivíduo pode ter um desenvolvimento abrangendo novas capacidades, novas competências, que podem ser transversais, complementares, interligadas.

Acredito que ao estimular a Formação Continuada ligada aos interesses do indivíduo, isso poderá animar, motivar, desenvolver melhor o indivíduo.

Será inegável o estímulo a outras áreas do cerebro, aumentar a inteligência emocional, favorecer o aprendizado colaborativo, tornar os ganhos de aprendizagem ainda mais potencializados!

Eu mesmo com a questão de atuar com a área da saúde, educação, gestão, vejo possibilidades de aprender em atividades que gosto muito como viagens, jardinagem, gastronomia informática. Gostei muito das dicas e das pesquisas que realizei!

Se antes já era um entusiasta da formação continuada, pretendo me capacitar cada vez mais, investindo no desenvolvimento de novas capacidades e competências!

Gostou do assunto, quer se desenvolver na sua área e em outras que tem interesse, deixe seu comentário, sugestão e opinião!

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Profissional de Recursos Humanos

#arnaldosantos #arnaldosantoscoach #academiaderadiologia ##psicologiaonline #educaçãoonline #ensinoadistancia #pospandemia #pandemiacovid19

PROCESSOS DE APRENDIZAGEM NO ENSINO À DISTÂNCIA

Expansão do Ensino à Distância

Como melhorar o desempenho no aprendizado na modalidade de ensino à distância?

Acredito que essa pergunta é uma das mais comuns entre os estudantes que em razão da pandemia COVID-19 começaram a ter suas aulas ao vivo ou em videoaulas!

Vejo muitos alunos com dificuldade para se organizar nos estudos com a mudança para aulas On line.

O estudante precisa tomar algumas providências para elevar seu desempenho educacional e compreender melhor as aulas a distância.

Algumas questões e dicas eu abordei anteriormente, sobre as formas de aprendizagem (a aprendizagem auditiva, aprendizagem cinestésica e aprendizagem visual). Porém acredito que precisam ser complementadas para potencializar o aprendizado e aumentar a retenção da informação e transformação dela em conhecimento para o aluno.

Começo lembrando que diante dos recursos e ferramentas que temos hoje para a transmissão de aulas ao vivo e on line, o conteúdo ficou muito parecido com o presencial. Os equipamentos e sistemas disponíveis proporcionam uma interatividade do aluno com o professor. Ao vivo ele pode perguntar pelo chat, ou mesmo  solicitar a permissão para utilizar o microfone e falar com o professor, expressar sua opinião sobre o tema da aula, dúvidas em relação à explicação, entre outras interações.

Portanto as aulas ao vivo, e também as gravadas, são excelentes alternativas à quarentena, que suspendeu as aulas presenciais, até terminar o período de quarentena.

Pela experiência que acumulei na área da psicologia e da educação, sugiro algumas medidas complementares, que bem executadas, poderão melhorar a retenção das informações transmitidas pelas aulas à distância.

Destaco a seguir minhas sugestões que podem ajudar nas aulas ministradas à distância para aumentar a retenção de informação e transformar em aprendizado:

– Treinamento de habilidades matemáticas e de raciocínio lógico;

– Elaboração diagramas, mapas mentais, mapas conceituais, esquemas visuais com setas, símbolos, cores. Indicação de direção e fluxo do que está sendo aprendido, com a finalidade de entender conceitos teóricos;

– Modelos visuais com cartazes, desenhos, fotos, símbolos para que se estabeleça associações, diferenciações e generalizações de aprendizado;

– Buscar livros ou sites sobre o tema estudado, que conte por meio de estórias. A técnica de contar estórias, “cases”, jornada do herói,  ajuda a fixar lembranças sobre o tema. Nesse contexto também funcionam bem os filmes e seriados;

– Utilização de papel rascunho, post-it, para interpretar a atividade, a tarefa, as regras do jogo;

– Lista de exercício para resolução de problemas! A repetição de exercícios complexos ativa a criação do mapa mental individual de aprendizado;

– Leitura em voz alta para quem retém a informação pela capacidade auditiva, melhorando as informações daquilo que está lendo. Associa duas modalidades de aprendizado. A visual composta pelas palavras, pelas expressões verbais, as fórmulas, os esquemas. A auditiva, que funciona como um gravador das orientações expressadas pelos próprios alunos

– Quebra-cabeças, peças numeradas, que proporcionam juntar as partes, formando um todo. Nesse caso, uma providência cinestésica. Desenvolve a habilidade sensório-motora. Os elementos visuais como forma e cor, identificam as peças que se encaixam, que se completam.

– Gameficação, onde a utilização de jogos de aprendizagem, da participação em competições, motiva o aluno. Motivado ele passa a se interessar em ler, resolver exercícios e participar ativamente da aula. Torna a aula desafiadora e interessante.

Espero que com essas dicas você consiga:

  • Organizar melhor seus estudos;
  • Aumentar o interesse pelas aulas à distância;
  • Preparar-se melhor para assistir as aulas à distância;
  • Compreenda melhor o conteúdo das aulas;
  • Aplique os conhecimentos adquiridos na sua vida cotidiana

Como professor, Eu acredito que esse é um dos maiores desafios nesse  momento implantação de ensino à distância para milhares de alunos que não tiveram experiências anteriores com essa modalidade de ensino.

Acompanhe meu trabalho nas redes sociais!

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

COMO MELHORAR O APRENDIZADO NAS AULAS EM ENSINO À DISTÂNCIA?

O momento de emergência provocado pela pandemia do coronavírus, transformou de uma hora para outra, nossa maneira de viver, de se relacionar, de trabalhar e, também de aprender.

O governo, em razão da pandemia decretou quarentena, afastamento social, fechando os estabelecimentos, liberando somente os essenciais, aqueles que são de utilidade pública, como mercados, farmácias, padarias, postos de gasolina, entre outros.

O fechamento, o distanciamento social, a quarentena, trouxe mudanças consideráveis em nossas vidas. Muitos de nós começaram a trabalhar em home office. Outros, os contratos de trabalhos foram suspensos, e os trabalhadores autônomos, profissionais liberais e microempresários, precisaram se reinventar, modificar sua forma de trabalhar, de atender seus clientes, de fechar seus contratos.

A educação também foi afetada! As aulas suspensas, os alunos, do ensino fundamental ao ensino superior, ficaram na expectativa sobre qual solução as instituições de ensino adotariam.

Muitas suspenderam as aulas, com férias e recesso antecipados a seus alunos. Outras recorreram ao EAd, com aulas gravadas. Algumas optaram pelas aulas on line ao vivo.

Solução encontrada, fica a grande pergunta:

Como alunos que não tiveram experiência em EAD, ou que, de uma forma geral não se adaptaram, podem aumentar seu desempenho no aprendizado, assimilar conteúdos agora transmitidos pela internet?

Como professor dos dois tipos de aulas, e atuante já a algum tempo no mundo digital, e também com formação em psicologia e experiência em desenvolvimento de aprendizagem, elaborei algumas dicas e sugestões para que essa fase de aulas a distância. Para isso, me fiz uma pergunta:

Como posso me adaptar ao ensino on line?

Dou 3 sugestões para que você comece a adaptar-se melhor ao ensino à distância e seu desempenho aumente.

1ª Sugestão – Identifique como você aprende melhor. Se pela explicação visual, auditiva ou cinestésica. A visual consiste na sua percepção sobre o que está sendo apresentado. Se você consegue perceber melhor os detalhes, visualizar os dados, memorizar o que vê! A auditiva consiste na sua escuta ativa, se você ouve, processa e interpreta aquilo que ouve. Se consegue memorizar o que é falado da forma como foi falado e se consegue memorizar bem aquilo que é falado. A cinestésica que consiste na maneira como você anota aquilo que é apresentado durante a aula, a maneira como risca, como escolhe e escreve as palavras-chave!

2ª Sugestão – Investir mais conhecimento sobre a maneira como aprende para que essa assimilação favoreça seu aprendizado!

3ª Sugestão = Destinar um tempo para realizar exercícios, rever o que foi anotado, ler mais a respeito do tema que foi explicado. Essa providência aumentará sua fixação sobre o que aprendeu!

Agora que você conhece as minhas sugestões, veja se elas se enquadram na maneira como você está estudando no EAD. Faça uma análise e veja o que é possível colocar em prática, o que não tem aplicação prática para você e também o que pode ser melhorado!

Excelentes estudos para você!

Que a quarentena estimule novas formas de aprendizado e de desenvolvimento de novas competências!

Acompanhe meu trabalho nas redes sociais!

 

Professor Arnaldo Santos

Psicólogo e Coach

 

 

Voluntariado e Serviços de Saúde

A prática do voluntariado é uma ação muito comum nos serviços de saúde.

Lido com a área da saúde há pelo menos 5 anos e tenho visto ações bem animadas e empolgadas de pessoas que escolheram para suas vidas ajudar outras pessoas que estão passando por momentos difíceis em suas vidas.

O voluntariado é praticado em sua maioria por pessoas que desejam contribuir com seu tempo, dedicar momentos, apoiando ações organizadas pelo serviço de saúde para minimizar o sofrimento, a dor de outras pessoas.

Minha experiência é em instalação de saúde especializada em diagnóstico por imagem e no atendimento de crianças com câncer. No mesmo local também funcionam alas de fisioterapia para recuperação de acidentados e amputados.

Por vezes assisti equipes de voluntários acolhendo crianças com sorrisos, abraços, brinquedos, e principalmente “calor humano”. Vale lembrar que quem vem para tratamento nesses centros de reabilitação, diagnóstico e tratamento, por vezes, passa o dia inteiro no local, até ser chamado para atendimento.

Foram várias as datas comemorativas que estive presente, não como voluntário, mas como prestador de serviços nesse local.

Os voluntários chegam cedo para organizar o espaço, se vestem “a caráter” da data comemorativa. Muitas vezes vieram convidados contratados para dar shows, apresentações teatrais. Quando iniciam as atividades, as brincadeiras, os “shows”, os pacientes, acompanhantes, empregados do serviço de saúde participam animados, “se divertem”, comem e bebem. Por alguns instantes as dores, incômodos, tristezas dão lugar a sorriso, companheirismo e alegria.

Mas o que leva uma pessoa a ser voluntária num centro de diagnóstico ou serviço de saúde qualquer?

Existem alguns estudos, existem algumas teorias que dão amparo teórico aos motivos que trazem essas pessoas a esses lugares.

Independente de estudos psicológicos detalhados, de hipóteses teóricas eu posso te falar que pelos olhares, sorrisos e motivação que percebo nelas, essas voluntárias são movidas pelo amor ao próximo. Pela vontade de fazer uma criança, um adolescente, um idoso sorrir, vontade de devolver a esperança a eles. Mostrar que vale a pena lutar, realizar os tratamentos , e que vale a pena viver.

Quando a abordagem do motivo que leva uma pessoa a ser voluntária cai para explicação psicológica, sociológica ou ligada ao trabalho de Coaching a explicação passa pela vontade que essas pessoas tem de Contribuir, que está relacionada com seu “propósito de vida.”

No local onde frequento, vejo que o perfil dos voluntários, é de mulheres de meia idade, que trabalham em equipe, possuem bom relacionamento interpessoal e que possuem um tempo para dedicar-se a essa atividade.

Passadas as atividades programadas no voluntariado elas reúnem-se no café, dialogam, trocam ideias. Vejo bom humor, simpatia e carisma. Percebe-se que estão no voluntariado porque gostam do próximo, querem fazer a diferença na vida das pessoas.

Para concluir, essa experiência em serviço de saúde, observando o voluntariado, me fez enxergar a importância do voluntariado nos estabelecimentos de saúde. Um ambiente que carece de humanização e de suavidade no tratamento de seus pacientes, acompanhantes e empregados. Com a doação de seu tempo e de sua disposição de “fazer o bem”, os voluntários complementam a função do estabelecimento de saúde, transformam o ambiente, cuidam de minimizar a dor e sofrimento de quem frequenta o local na busca do resgate da saúde, da esperança de recuperar sua vida normal.

Pratique essa ideia, seja voluntário! A área da saúde precisa do seu carinho e amor ao próximo.

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo e Coach

Processos Seletivos

Está aberta a temporada de caça-talentos nas empresas! Esse período do ano muitas empresas começam a abrir vagas para completar seu quadro de fim de ano e também para estruturar novas equipes, que começarão a trabalhar em 2020.

Começará a ser muito comum os sites de empregos e os sites das empresas divulgarem suas vagas e pedir que estudantes e profissionais inscrevam-se para seus processos seletivos.

Hoje mesmo divulguei algumas vagas em minhas redes sociais, como  onde um grande banco divulga seu programa de atração de talentos.

Nesse período de inscrição é muito comum os candidatos inscreverem-se em vários processos. para aumentar as chances de participação e de contratação.

Algumas empresas chegam a ter um volume de candidatos que proporciona 200 candidatos por vaga, o que torna a concorrência similar a de vestibulares de Universidades tradicionais do Brasil.

Cabe ao candidato que tiver interesse em participar desses processos seletivos preparar-se para uma verdadeira maratona. As etapas exigem muito fôlego e preparo, pois não envolvem somente a capacidade direta com o cargo que ocupará, mas também conhecimentos gerais, inteligência emocional, raciocínio lógico, proficiência em um idioma adicional, habilidade com informática, redes sociais e gravação de vídeo de apresentação. Passando pelas etapas e afunilando o processo habilidades como liderança, trabalho em equipe e criatividade e inovação também serão avaliadas.

Toda essa “maratona” é elaborada para que o candidato escolhido esteja alinhado com os valores de empresa, preparado para enfrentar os desafios da indústria 4.0 com todo avanço tecnológico, que já está provocando expressiva mudança na forma de se trabalhar nas empresas. Com relação ao futuro dos empregos vale a pena conhecer um pouco mais essa tendência em nossa economia e buscar as novas competências exigidas e a flexibilidade necessária para estar competitivo nos processos seletivos.

E você? Como está preparado para enfrentar essa temporada de caça-talentos para o mundo corporativo?

Espero que seu preparo esteja excelente, que você seja bem sucedido e que me conte depois sua participação nos processos e quais experiências e vivências acumulou para sua carreira.

Para saber mais sobre a industria 4.0 assista meu vídeo.      clique aqui

 

ProfessorArnaldo Santos

Psicologo e Coach

 

MENTORIA PARA RADIOLOGIA – O apoio que sua carreira precisava

Está precisando desenvolver sua carreira mas os obstáculos e contratempos tem diminuído sua motivação e entusiasmo?

O processo de mentoria pode ser uma excelente alternativa para que sua carreira volte a evoluir.

A mentoria consiste no apoio de um profissional “senior”, com vivência profissional e experiência de mercado, para te apoiar, dar sugestões, “mostrar atalhos”, orientar para superaras dificuldades na área.

Ele pode indicar “o caminho das pedras“, pode sugerir alternativas para resolver uma dificuldade de trabalho. A mentoria ajuda a desenvolver o processo decisório, aumentar a autoconfiança e e segurança do profissional.

Quem de nós não teve em sua carreira a figura de alguém que veio nos aconselhar, nos orientar a ter mais calma, paciência, perseverança. Que nos ensinou que quanto mais escutarmos e observarmos o ambiente, mais chances de crescimento teríamos.

O processo de mentoria depende do relacionamento entre o mentor e o mentorado, precisa ter um envolvimento, afinidade e empatia. Para que a mentoria ocorra é necessário que o mentor queira transmitir o conhecimento e sabedoria que possui e o mentorado deseje escutar, aceitar, acatar as sugestões e orientações.

A mentoria pode ser útil em qualquer segmento profissional, e na radiologia busca desenvolver profissionais de radiologia que queiram melhorar seu perfil profissional e as competências do novo milênio, do “emprego 4.0”. 

A aplicação de mentoria em profissionais de radiologia é algo novo e desafiador.

O processo de mentoria busca aumentar a autoconsciência dos mentorados a respeito de suas competências, podendo gerar maior empregabilidade e oportunidades de emprego e renda.

Professor Arnaldo Pereira dos Santos

Psicologo, Administrador, Mentor

Inscrições para a MENTORIA PARA RADIOLOGIA:

Durante o mês de maio/2019 a Academia de Radiologia www.academiaderadiologia.com  está com as as inscrições abertas para o preenchimento das vagas. É uma turma com vagas limitadas.