TRANSIÇÃO DE CARREIRA: DESAFIO PARA PROFISSIONAIS ACIMA DE 50 ANOS

Que tema difícil de abordar, você nem sabe como!!!!

Digo isso por estar passando por essa transição, estar vivendo na pele mudar de carreira, e de uma forma não planejada, no meio da maior crise sanitária dos últimos 100 anos, com desdobramentos devastadores no campo social, econômico e financeiro.

Com a crise do COVID-19 as aulas deixaram momentaneamente de ser presenciais e passaram a ser on line. Isso provocou uma reestruturação nas instituições de ensino, trazendo demissões dos profissionais da área, principalmente professores. Acabei sendo demitido também.

Como aconteceu no início dos anos 2000, decidi mudar de área. Até 2001 trabalhava na área administrativa recursos humanos. Me aventurei como empreendedor mas acabei ingressando na área acadêmica como professor, onde permaneci até 2020.

Se lá atras eu tinha a questão da idade a meu favor, tinha terminado o curso de psicologia, estava com energia de sobra para enfrentar desafios, superar dificuldades, ávido para aprender e criar, atualmente, com 54 anos encontro inúmeras diferenças e dificuldades que não encontrava naquela época.

Para mudar tenho a ciência a meu favor. Tudo evoluiu, atualmente a idade cronológica não conta mais, eu estou bem disposto e muito motivado, mas somente isso não basta, o cenário atual é bem diferente.

Percebo que praticamente tudo que vamos fazer tem tecnologia envolvida, percebo que o ser humano atual, é diferente daquele que iniciava o século XXI.

Hoje as redes sociais estão aí para conectar todo mundo. Passamos horas no celular, abandonamos a TV, temos tantos amigos nas redes sociais e tão poucos na vida real.

Percebo que o prazo de validade das coisas é muito rápido. Está tudo descartável. Vejo que a atual geração quer tudo para ontem, troca de emprego como quem troca de roupa, se você discorda de algo da pessoa “ela pega e te cancela”. Provavelmente no futuro essa atual geração será considerada mimada e, também a geração que não pode ser contrariada. Vejo que os vínculos estão superficiais, seja em relação às pessoas, às empresas, às marcas. Acredito que seja uma marca do mundo atual, o chamado desapegar.

Acompanho os noticiários e vejo que o ser humano está pouco preocupado com o outro. Mesmo nessa crise sanitária, com possibildade de adoecer, de morrer, as pessoas preferem ter o prazer imediato, com a questão do momento.

Vejo atualmente um avanço na preocupação com cidadania, com inclusão, com as minorias, porém mesmo com esforço e empenho , vejo que temos muito a evoluir.

 Quer dizer, o momento é de ebulição, de discussão, de transição, de quebra de paradigmas.

Com esses cenários, com esse contexto, é que estou mudando de carreira.

Acredito que mais do que uma necessidade, acaba sendo um ato de coragem, de bravura, pois acredito que seria muito mais simples sujeitar-se a inúmeras propostas para permanecer na área de educação, pois a nova realidade está gerando muitas oportunidades para atuar na área.

Porém, acredito que com as competências que acumulei ao longo de minha carreira profissional, somada a minha formação acadêmica, me senti fortalecido em tomar a decisão que tomei.

Nesse mundo em transformação, penso que as competências acumuladas servem de referência para adquirir as chamadas competências Soft Skils, as competências da economia 4.0, as competências na nova década.

Olha, não é fácil!!!! Precisa se reinventar, se desconstruir, adaptar-se a uma realidade repleta de incerteza, insegurança e uma volatilidade nunca vista antes.

Mais do que falar que precisamos ser flexíveis, adaptáveis, camaleões, precisamos na verdade desapegar de convicções para aceitar essa situação.

Como exemplo dou a fala de nossos governantes que no início da semana resolve fechar todo comércio, no meio da semana tenta iniciar a flexibilização do comercio e na sexta-feira resolve abrir todo comércio em razão das pressões políticas que podem prejudicar uma futura reeleição.

Em outra situação, uma determinada empresa resolve fechar seus pontos comerciais fixos e resolvem implantar e-commerce, mas em razão do impacto negativo da decisão, resolve voltar atras e deixar tudo como está.

Quer dizer, como que alguém com 54 anos de idade vai se aventurar de trocar o certo pelo duvidoso, fazer aquilo que nossos avós diziam pra gente: Mais vale um pássaro na mão do que dois voando????

Nesse momento que escrevo a postagem li a notícia de que Bernardo Resende, o Bernardinho do vôlei, multicampeão com a seleção brasileira de vôlei, aceitou o convite de treinar a seleção de vôlei da França, para as Olimpiadas de Paris. Quer dizer, existe maior inspiração para quem quer mudar com idade acima de 50 anos , do que a do Bernardinho assumir tamanho desafio em sua vitoriosa carreira???????? Mudar de ares faz bem, e quando se trata de desafio, de oportunidade de crescimento, não tem idade, não tem zona de conforto que nos segure!!!!!

Interessante num é?

Mas apesar de toda essa inspiração, posso te falar que esse dilema da mudança está sendo vivenciado pela minha geração, que chega na maturidade profissional e precisa tomar algumas decisões de sobrevivência no mercado de trabalho. E mudar acaba sendo uma dessas difíceis decisões. Somos chamados a nos reinventar!!!!!!

Esse contingente de profissionais que chega a essa faixa etária, a esse nível profissional, teve oportunidade de se qualificar profissionalmente, frequentar a faculdade, viver transições tecnológicas, presenciar mudanças econômicas, políticas, governamentais. Diria que essa geração com mais de 50 anos vem com uma “casca” bem interessante.

Para que pessoas da minha faixa de idade decidam mudar, alguns fatores motivacionais precisam ocorrer:

– A oportunidade ou necessidade

– O inconformismo

– A vontade de contribuir com um mundo melhor

– As ambições econômicas ou financeiras

Para cada uma dessas motivações, fatores internos são impulsionados para a tomada de decisão.

Disparados esses fatores, o indivíduo vai reunindo seus recursos internos, e surge a decisão de mudar. Desafia seus limites, reúne energias para superar obstáculos e vai, mete as caras e cria aquele “sangue nos olhos” e aprende, na raça, na persistência, na vontade.

E é um pouco do que acontece comigo!

Sou um amante da psicologia! Formei-me em 2000! De lá para utilizei a psicologia na atividade de treinamento, seleção, desenvolvimento organizacional, recursos humanos como um todo. Também utilizei muito na sala de aula, como professor.

Agora que saí de meu cargo de professor, resolvi atuar como psicólogo, na área clínica!

É um desafio, estou aprendendo e reaprendendo diariamente.

Estou melhorando minha capacidade analítica, meu relacionamento interpessoal, minha inteligência emocional.

Preciso a cada dia fortalecer meu autoconhecimento, meu rapport, minha comunicação!

Diferente do período que trabalhava como professor, onde tinha toda infraestrutura oferecida pela universidade, o trabalho clínico requer um consultório, ou um aplicativo de videocomunicação para as sessões on line.

Diferente da segurança oferecida pelo trabalho registrado, o trabalho como psicólogo autônomo requer a reestruturação da minha vida profissional.

Esse meu exemplo pessoal pode servir para os profissionais acima dos 50 anos que desejam trocar de profissão, mudar de carreira.

Disciplina, flexibilidade, empatia, organização, persistência, paciência, relacionamentos interpessoais, maturidade. São palavras que falei muito em minhas aulas, mas por incrível que pareça, estou reaprendendo a cada raio de sol que surge no horizonte.

50 anos, lembro de meu pai com essa faixa etária. Trabalhou 30 anos na mesma empresa, sempre feliz, seguro, orgulhoso. Eu atualmente com essa mesma faixa de idade, estou vivendo e praticando valores tão opostos, mas que atualmente me deixam muito feliz.

E você? Está passando pela mesma situação? Gostaria de deixar seu depoimento ou opinião?

Gostou do tema? Faz sentido para você?

Vou finalizando te deixando um forte abraço e, também uma frase que li de Charles Darwin, a respeito da evolução da humanidade, que retrata mais ou menos o seguinte:

Na vida a sobrevivência não é dos mais fortes, mas daqueles que melhor se adaptam ao meio ambiente!

Pense nisso.

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *