Minha experiência num Centro Hospitalar

Recentemente estive envolvido num problema de saúde em família e precisei ficar cerca de cinco dias acompanhando a evolução médica, que levou a alta depois de um tratamento clínico.

Fazia tempo que não tinha esse tipo de problema em minha família, ligado a saúde, desde o falecimento de meu pai em 2014.

Posso te falar como acompanhante que estar num hospital é sempre algo angustiante, algo que provoca um desconforto em mim.

Por melhores que as instalações sejam, com toda infraestrutura e condições técnicas para resolver o problema do paciente, para mim traz a ideia da falta de saúde, do sofrimento, da dor provocada pela falta de saúde.

Mas dessa vez me senti diferente. Desde a chegada, no atendimento, senti um acolhimento e amparo, que em outras oportunidades não havia sentido.

Com a acomodação de minha irmã no quarto, um espaço confortável, com a assistência da equipe de enfermagem, com as primeiras palavras com o médico. Tudo caminhando para que o procedimento agendado fosse realizado.

Após a finalização do procedimento cardíaco, uma angioplastia, com a constatação da necessidade colocação de stents, foi exposto com clareza pelo médico essa necessidade, de  forma calma, tranquila, transmitindo confiança.

Logo em seguida a equipe de apoio médico se mostrou colaborativa, providenciou tudo. Desde a transferência para outro quarto, liberação das autorizações e guias, acompanhamento clínico, monitoramento.

Chamou minha atenção o profissionalismo da equipe o cuidado com o paciente e acompanhante. Em razão de compromissos profissionais precisei me ausentar. Logo recebi uma ligação de que não poderia acompanhar minha irmã naquela noite em razão dela ter sido transferida para uma unidade semi-intensiva por causa do aumento da pressão.

O contato me trouxe tranquilidade, a enfermeira que ligou tinha todas informações e me detalhou para que eu não entrasse em pânico.

Minha irmã passou pelo procedimento, ficou em observação, recuperou seu estado clínico e emocional e dias depois ela teve alta. Fomos para casa e tudo ficou bem.

A experiência como um todo me fez perceber e ter a convicção do quanto é importante essa relação que as equipes da área da saúde estabelecem com os pacientes, acompanhantes e familiares para que os resultados sejam atingidos e o apoio humano seja oferecido.

Por mais tecnologia que exista nos serviços de saúde, nada substitui o relacionamento, nada substitui o contato humano. Além de minha irmã ter todo apoio necessário para recuperar-se, eu como acompanhante tive todo apoio. Desde as orientações da equipe de enfermagem, as explicações do médico, bem como também as informações diárias do boletim médico.

Senti essa necessidade de externar minha experiência para contextualizar o tema Perfil do Profissional de Saúde.

Trabalhar na área de saúde requer, mais do que um perfil tradicional, um “dom de gostar das pessoas”, uma entrega, uma compaixão acima da média.

Na vulnerabilidade emocional que eu estava, em razão de toda tensão da situação, acabei percebendo a “boa vontade”, a alegria de atender bem. A satisfação pelo paciente ter uma melhora, um avanço, a progressão do tratamento. Dá para perceber a satisfação do profissional ao atender bem, ao realizar as medições, o banho, a conversa. Ficou claro para mim que esses profissionais queriam mesmo a melhora da minha irmã.

Essa espontaneidade, essa desenvoltura não seria atingida por profissionais que não gostassem de trabalhar na área da saúde, que tivessem buscado essa área por causa de dinheiro, dos valores salariais praticados.

Mas quais características eu encontrei nesses profissionais?

– Cordialidade

– Gentileza

– Proatividade

– Resolução de Problemas

– Trabalho em equipe

– Comunicação

– Criatividade

– Interesse

Percebi que a soma de todas essas características, transformaram minha estada nessa instituição hospitalar, devolveu a esperança de melhores dias, de recuperação da saúde e tratamento humanizado ao paciente.

Nada substitui o apoio humano, a empatia e o carinho de um profissional que gosta daquilo que faz!

Muito obrigado profissionais da saúde. Esse post é para vocês!!!

 

Arnaldo Pereira dos Santos

Psicólogo e Coach

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *